21.3 C
Jundiaí
segunda-feira, 24 junho, 2024

Névoa cerebral na menopausa têm sintomas similares ao da demência

spot_img

A falta de concentração, confusão mental, lentidão de pensamento e esquecimento são sintomas cognitivos que podem ser causados pela névoa cerebral. A pessoa, como consequência, pode ter problemas no seu dia a dia em tarefas simples, como: esquecer compromissos e palavras, bem como tomar decisões. Essas queixas são comuns em mulheres durante a transição para a menopausa e, em alguns casos, também após a menopausa.

Esses sintomas estão relacionados a flutuações hormonais que ocorrem durante a menopausa, em especial a diminuição dos níveis de estrogênio. Isso porque esse hormônio desempenha um papel importante na função cerebral, afetando áreas relacionadas à memória, atenção e processamento cognitivo.

Diagnóstico correto

Pesquisadores alertam sobre a “Névoa cerebral durante a menopausa”, não ser confundida com demência. “É comum a pessoa pensar que está com o início de Alzheimer, uma forma específica de demência que causa o declínio cognitivo. 

Com a avaliação adequada, o especialista pode fazer um diagnóstico correto e orientar o tratamento, por isso a importância do exame de rastreio nas mulheres já na fase perimenopausa, momento em que alguns sintomas podem aparecer”, alerta Juliana Rebechi Zuiani, neurocirurgiã da PUC-Campinas.

O diagnóstico

O diagnóstico da névoa cerebral pode ser feito com uma anamnese na consulta, com histórico médico, a exames (incluindo o rastreio cognitivo). “A avaliação pode ser feita inclusive com exames não invasivos; um deles é o altoida, que usa biomarcadores digitais, inteligência artificial e realidade aumentada imersiva”, diz Juliana Rebechi Zuiani.

A especialista explica que, a partir desse exame, é possível identificar precocemente, por meio de inteligência artificial, padrões mentais e comportamentais de risco para desenvolvimento do declínio cognitivo. 

“Desde a névoa mental até a doença de Alzheimer, e outras síndromes demenciais ou neurodegenerativas, como a Demência por Corpos de Lewy e a Demência Frontotemporal, caso do ator Bruce Willis, também podem ser rastreadas por esse novo exame”, afirma a especialista.

Importância do check-up

O check-up cerebral é recomendado a partir dos 40 anos. “Assim como fazemos check-up cardiológico, deveríamos fazer o check-up cerebral. Por meio dele, é possível identificar precocemente alterações e avaliar a necessidade de reabilitação ou tratamento, aumentar as chances de ter um bom resultado e preservar a qualidade de vida do paciente”, observa a médica. 

Hábitos diários e saúde cognitiva

A partir do momento em que você tem parâmetros, ou seja, que o médico consegue avaliar seu histórico de exames cognitivos, você pode alterar alguns hábitos e comportamentos para melhorar. Alguns fatores influenciam a saúde do cérebro, como aponta Juliana Rebechi Zuiani: obesidade; pressão alta; diabetes; falta de atividade física; fumar, falta de atividade cognitiva; pouca interação social; surdez; depressão.

Essas são algumas características que devem ser modificadas. Por isso, ter acompanhamento multidisciplinar é fundamental, inclusive com ginecologista e nutricionista. “Dessa forma, você consegue melhorar a qualidade de vida”, conclui a neurocirurgiã.

Novo Dia
Novo Diahttps://novodia.digital/novodia
O Novo Dia Notícias é um dos maiores portais de conteúdo da região de Jundiaí. Faz parte do Grupo Novo Dia.
PUBLICIDADEspot_img

SUGESTÃO DE PAUTAS

PUBLICIDADEspot_img
PUBLICIDADEspot_img

notícias relacionadas