spot_img
spot_img
20.3 C
Jundiaí
quarta-feira, 1 dezembro, 2021
spot_img

Amigos versus Traíras do velho Sérgio Reis

O mesmo martírio de Simonal. Estamos assistindo ao início do segundo massacre de um cantor/compositor que apoia o presidente, por meia dúzia de “amigues” que o odeiam. Aos 81 anos, Sergião Reis foi intimado pelo “meretríssimo e excelentíssimo” Alexandre de Moraes (Xandão do PCC) por que disse o quê a maioria dos brasileiros diz: “que não apoia os erros dos ministros do STFu e que irá a Brasília para derrubá-los”. Já vi este filme 50 anos atrás. O primeiro artista cancelado por outros artistas foi o maior showman que o Brasil já teve. O negro Wilson Simonal foi difamado, acusado e banido injustamente por não fazer militância contra o presidente (vide https://novodia.digital/2020/11/simonal-o-lider-negro-massacrado-pela-classe-artistica/).

Na última quarta (25), Sergião prestou depoimento à Polícia Federal. Acordado com porradas na porta, teve seu lar invadido antes de o sol nascer. Agora o velho cantor, que não tem coração de papel, está internado num hospital de São Paulo. Mas para cada mambembe que o abandonou, apareceu um amigo fiel e bem sucedido para apoiá-lo.

Esquerdismo tem método, sim. No final dos anos 70, meia dúzia de artistas inseridos no contexto terrorista acusaram Simonal de “capitão-do-mato, alcaguete e puxa-saco da ditadura”. Como era pai de família, virou homofóbico; não usava drogas, então era “careta”. Cristão e ex-sargento, o negão foi cancelado no meio artístico. Perdeu contratos e patrocínios; artistas que ele tratava bem lhe viravam a cara. Sem trabalho, não conseguia pagar suas contas. Morreu em 2000, pobre e sem homenagens na TV. Hoje, seu filho Simoninha anda com provas de que seu pai foi massacrado sem ter culpa por “amigos judas e traíras”. Sergião segue no mesmo tribunal de exceção, nas garras do modus operandi do STFu, de viúvas da corrupção e de artistas desmamados do dinheiro fácil.

Generoso, ajudou muita gente. Sérgio foi deputado federal e doou todos os salários para tratamento de câncer de pessoas pobres. Tornou-se um dos artistas perseguidos por proditores/lacradores da lei Rouanet que embolsaram 17 bilhões de reais do erário, do IR (vide PS). Paulistano, Sergião cantava na Jovem Guarda da TV Record nos anos 1960. Compôs, gravou e vendeu muito o “Coração de Papel” em 1967. Nos anos 1970, fez sucesso com “Menino da Porteira, Panela Velha e Pinga ni Mim”. O disco Melhor de Sérgio Reis vendeu mais de um milhão de cópias nos anos 80.  Lançou homenagem ao amigo Roberto Carlos com Nossas Canções, em 2002. Depois gravou DVD com seus filhos e amigos. Em 2010, Sergião e Renato Teixeira fizeram sucesso com o disco “Amizade Sincera”. Dois anos depois, viajando pelo Brasil, Sergião quase morreu quando caiu do palco na cidade mineira de Três Marias. Em novembro de 2014, Sérgio ganhou o Grammy Latino de melhor álbum, o Questão de Tempo. Um ano depois, com Renato Teixeira, ganhou o Grammy de Melhor Sertanejo com Amizade Sincera II.

Proditores: O novo CD de Sergião seria lançado neste final de ano. Pouco antes do galo cantar, e a polícia invadir sua casa para apreender seu violão e a panela velha, Sérgio Reis foi surpreendido com a desistência de alguns proditores, digo, “amigues” que iriam participar do próximo CD. Gente que está no ostracismo, que preferiu o escândalo ao trabalho, como Guilherme arantes, guarabyra, Maria rita e Zé ramalho trataram imediatamente de anunciar à famigerada imprensa, que estão “fora do disco do velho fascista e antidemocrático”. Ah, outra famosa da caatinga, Anastácia, também não quer sair na foto com Sergião, o cara que, pasmem, já ajudou e estava ajudando essa gente, além de enfrentar com dignidade e patriotismo o desgoverno do STFu.

Gente fiel: Na primeira hora, a linda e inteligente Paula Fernandes confirmou presença ao lado de Sérgio no disco. Outro famoso e bem sucedido saiu em defesa do velho: Zezé di Camargo pediu para participar, além de gravar vídeos defendendo a amizade e a gratidão que tem por Sergião. A dupla sertaneja que está fazendo sucesso, João Bosco & Vinícius, pediu para entrar no projeto, com “o grande Sergião”, promessa de sucesso absoluto. Mais apoios chegam todos os dias: o apresentador Ratinho já declarou solidariedade ao velho cantor e prometeu fazer tudo para divulgar. A assessoria de Paula informou em nota: “Paula Fernandes, quando iniciou sua carreira, convidou Sérgio Reis para participar de seu álbum ‘Canções do Vento Sul’ e gravaram a música ‘Sem Você’. Em abril deste ano, a cantora foi convidada para participar do novo álbum de Sérgio e colocou voz na canção. Paula tem uma enorme gratidão e respeito pela carreira musical de Sérgio Reis. Paula repudia compromissos firmados e cancelados”.  

PS. “Em quase 30 anos de Lei Rouanet, o investimento total foi de R$ 17 bilhões, não o valor gasto com apenas um grupo de artistas. Além disso, esses recursos não saíram diretamente do orçamento público, visto que o valor é abatido do Imposto de Renda, e não redirecionado de áreas como Saúde e Educação” informou a agência UOL.

Galdino Mesquita

Novo Diahttps://novodia.digital/novodia
O Novo Dia Notícias é um dos maiores portais de conteúdo da região de Jundiaí. Faz parte do Grupo Novo Dia.
PUBLICIDADEspot_img
PUBLICIDADEspot_img

SUGESTÃO DE PAUTAS

notícias relacionadas