14.7 C
Jundiaí
segunda-feira, 22 abril, 2024

Estudo propõe a Kombucha como redutor de acúmulo de gordura

spot_img

Uma recente pesquisa revelou que os probióticos encontrados no kombucha têm a capacidade de modificar o metabolismo de gorduras no intestino de forma comparável ao jejum. Especialistas indicam que essa bebida pode contribuir para a redução da gordura corporal e a diminuição dos níveis de triglicerídeos no sangue, os quais, em níveis elevados, podem aumentar o risco de doenças cardiovasculares.

O kombucha é uma bebida fermentada e levemente adocicada que se tornou bastante popular recentemente, principalmente devido aos seus potenciais benefícios à saúde. Estudos sugerem que o consumo regular de kombucha pode estar associado à redução da pressão arterial, à prevenção do câncer e à proteção contra doenças metabólicas. Esses benefícios são atribuídos aos microrganismos probióticos presentes na bebida e aos seus efeitos benéficos sobre o metabolismo humano.

O recente estudo, divulgado em 28 de março no PLOS Genetics, foi conduzido por pesquisadores da Universidade da Carolina do Norte, em Chapel Hill, nos Estados Unidos, com o objetivo de investigar o impacto do kombucha no metabolismo.

Utilizando vermes nematoides da espécie C. elegans como modelos experimentais, os pesquisadores administraram a bebida aos organismos e observaram a colonização de seus intestinos por leveduras e bactérias. Os resultados revelaram mudanças metabólicas semelhantes às observadas durante o jejum, com os microrganismos modificando a expressão de genes relacionados ao metabolismo de gorduras. Isso resultou em uma maior produção de proteínas que degradam gorduras e uma menor produção de proteínas responsáveis pela formação de triglicerídeos, resultando na redução das reservas de gordura nos vermes.

Os pesquisadores acreditam que essas descobertas fornecem insights sobre como os probióticos presentes no kombucha podem influenciar o metabolismo humano. No entanto, são necessárias mais pesquisas para confirmar se os mesmos efeitos observados nos vermes podem ser replicados em seres humanos.

Os autores também destacaram que os resultados do estudo atual corroboram descobertas de outras pesquisas sobre os benefícios do kombucha.

“Nos surpreendemos ao descobrir que animais alimentados com uma dieta contendo os micróbios probióticos encontrados no kombucha apresentaram redução na acumulação de gordura, níveis mais baixos de triglicerídeos e gotículas lipídicas menores – uma organela que armazena os lipídios da célula – em comparação com outras dietas. Essas descobertas sugerem que os micróbios no kombucha desencadeiam um estado ‘semelhante ao jejum’ no hospedeiro, mesmo na presença de nutrientes suficientes”, afirmaram os pesquisadores em comunicado à imprensa.

PUBLICIDADEspot_img
PUBLICIDADEspot_img

SUGESTÃO DE PAUTAS

PUBLICIDADEspot_img
PUBLICIDADEspot_img

notícias relacionadas