16.4 C
Jundiaí
domingo, 21 julho, 2024

Prefeitura faz mutirão contra a dengue no Novo Bonfim

publicidadespot_imgspot_img

O bairro Novo Bonfim recebeu no sábado (16) mutirão contra a dengue, para conscientização da população sobre os cuidados para evitar a proliferação do mosquito Aedes Aegypti.
O Novo Bonfim possui hoje 14% dos casos suspeitos de dengue da cidade, e por isso foi o primeiro bairro escolhido para um mutirão. Os agentes de saúde distribuíram panfletos e orientaram a população para evitar deixar água parada e descartar objetos que não estão sendo utilizados para que eles não se transformem em possíveis criadouros do mosquito. Alunos da Emeb Zaira Spina Federzoni, que fica no bairro, também fizeram uma apresentação sobre a importância do combate a dengue.
“Cabreúva está em uma situação de alto risco e o mosquito se reproduz muito rápido, por isso é muito mportante que todos contribuam para evitar que os casos aumentem. Nós estamos realizando esse trabalho de orientação em toda a cidade, e hoje percorremos todo o Novo Bonfim”, afirma Sabrina Federzoni, secretaria adjunta de Saude de Cabreúva.
Junto com o mutirão, aconteceu também o projeto Prefeitura na Área, que leva serviços públicos de cada secretaria municipal até a população. Durante toda a manhã, a população pode ter acesso a vários serviços da prefeitura, como atendimento de saúde como aferição de pressão e glicemia, retirada gratuita de mudas de árvores, realizar ecotrocas de óleo de cozinha, além de serviços administrativos. Para as crianças, houve distribuição de algodão doce, pipoca, sorvete e brinquedos infláveis.
Na sexta-feira (15) a Secretaria de Saúde divulgou o primeiro Boletim Epidemiológico da Dengue em Cabreúva. Até o momento, são 45 casos confirmados e 403 casos suspeitos da doença. Não há registros de mortes ou casos graves pela doença. Os bairros que mais concentram casos suspeitos são: Centro/Jardim Pedroso, com 33.6% dos casos suspeitos, Vilarejo, com 14.5%, Novo Bonfim e Vale Verde tem 13.9% dos casos, Jacaré/Colina 11.6%, Caí 11.3%, Bananal 7.4% e Pinhal com 3.5% dos casos suspeitos da doença.

PUBLICIDADEspot_img

SUGESTÃO DE PAUTAS

PUBLICIDADEspot_img

notícias relacionadas