14.5 C
Jundiaí
domingo, 26 maio, 2024

Paracetamol na gravidez aumenta o risco de autismo e TDAH?

spot_img

Novo estudo revela que o uso de paracetamol, ativo do Tylenol, durante a gestação não está associado a um maior risco de autismo, TDAH ou deficiência intelectual em crianças.

A pesquisa foi publicada na última terça-feira (9) pela revista JAMA e analisou os registros médicos e pré-natais de aproximadamente 2,5 milhões de crianças nascidas na Suécia entre 1995 e 2019.

Uma pesquisa anterior utilizou um modelo estatístico para comparar crianças expostas ao paracetamol durante a gravidez com aquelas não expostas. O estudo descobriu que o grupo exposto apresentava um risco ligeiramente maior de autismo, TDAH e deficiência intelectual.

Um estudo liderado por cientistas do Instituto Karolinska da Suécia e da Universidade de Drexel realizou uma nova análise para estudar a exposição e os resultados entre irmãos (com os mesmos pais biológicos). 

Eles descobriram que não havia evidências de um maior risco de autismo, TDAH ou deficiência intelectual associado ao uso de paracetamol durante a gravidez. Essa análise é considerada poderosa, pois as comparações entre irmãos compartilham fatores genéticos e ambientais, o que elimina algumas das variáveis que podem distorcer os resultados nos ensaios clínicos.

Um estudo conduzido por pesquisadores do Instituto Karolinska, na Suécia, e da Universidade de Drexel, nos EUA, realizou uma análise inovadora ao estudar a exposição e os resultados entre irmãos (com os mesmos pais biológicos).

Os resultados da pesquisa indicam que não há evidências de um maior risco de autismo, TDAH ou deficiência intelectual associado ao uso de paracetamol durante a gravidez. Esse tipo de análise é considerado poderoso, pois as comparações entre irmãos compartilham fatores genéticos e ambientais, o que reduz a influência de variáveis que poderiam distorcer os resultados nos ensaios clínicos.

“Estudos de controle entre irmãos emparelhados controlam melhor os fatores ambientais que os pesquisadores desconhecem”, explicou Eric Brenner, professor assistente de pediatria na Universidade de Duke, que não participou da pesquisa. “É muito provável que os irmãos do grupo de controle cresçam no mesmo lar, tenham dietas semelhantes e estejam expostos a ambientes parecidos, o que permite aos pesquisadores controlar melhor os fatores ambientais”.

Brenner também destacou a amplitude do estudo e a análise entre irmãos como pontos fortes. “Esse é um estudo muito amplo e bem projetado que não encontrou associação entre o uso de paracetamol e o comprometimento do desenvolvimento neurológico, incluindo autismo e TDAH”, disse ele. “Embora qualquer medicamento deva sempre ser usado com cautela e sob consulta a um obstetra, parece que o paracetamol é seguro”.

Essas novas descobertas contradizem os artigos de pesquisa e as declarações recentes que sugeriam um maior risco de autismo, TDAH e deficiência intelectual associados ao uso de paracetamol durante a gravidez.

Embora a FDA (Food and Drug Administration) dos Estados Unidos e a Agência Europeia de Medicamentos considerem o paracetamol como representando um risco mínimo durante a gravidez, uma declaração de 2021 de um grupo internacional de cientistas e médicos pediu medidas de precaução e recomendou que as pessoas grávidas “abandonem o acetaminofeno, a menos que seu uso seja clinicamente indicado”. Uma série de artigos de pesquisa associaram o uso de paracetamol durante a gravidez a um maior risco de TDAH e outros distúrbios do desenvolvimento neurológico.

Os autores do novo estudo escreveram que “isso sugere que as associações observadas em outros modelos podem ter sido atribuídas a fatores de confusão”.

A confusão ocorre quando um fator externo influencia tanto a exposição quanto o resultado e cria uma associação falsa entre os dois. Por exemplo, o estudo descobriu que pais com distúrbios do desenvolvimento neurológico (que têm uma hereditariedade forte) também são mais propensos a usar analgésicos, como paracetamol, durante a gravidez.

Essa relação pode fazer parecer que as crianças expostas ao paracetamol durante a gravidez têm maior probabilidade de desenvolver distúrbios do desenvolvimento neurológico, quando, na realidade, seu maior risco é devido à genética, explica o estudo.

O estudo encontrou diferenças significativas entre os pais biológicos com maior uso de paracetamol e aqueles com uso menor ou nenhum. A exposição ao paracetamol foi mais comum entre as crianças nascidas de pais de uma classe socioeconômica mais baixa, com um IMC (índice de massa corporal) mais alto no início da gravidez, aqueles que fumavam durante a gravidez e aqueles com diagnóstico de distúrbios psiquiátricos ou condições de desenvolvimento neurológico.

“Os resultados sugeriram que não havia um único fator de confusão irrefutável, mas que características sociodemográficas e de saúde de vários pais biológicos explicavam pelo menos parte da aparente associação”, escreveram os pesquisadores.

Curiosamente, o estudo também descobriu que outros analgésicos, como aspirina, outros AINEs e opioides, não estavam associados a um maior risco de distúrbios do desenvolvimento neurológico nas análises entre irmãos; Cada tipo de analgésico havia sido associado anteriormente a defeitos congênitos.

Neste estudo, o uso de aspirina, em particular, foi associado a um menor risco de distúrbios do desenvolvimento neurológico; no entanto, este é um achado inicial e mais pesquisas são necessárias para entender esse resultado, afirma Brenner.

“Neste momento, o uso de aspirina não é rotineiramente recomendado durante a gravidez, e insto as mães grávidas a discutirem seu uso com seus obstetras”, diz.

Brenner explica que a febre é comum e ocorre em mais de 10% das pessoas grávidas. Na maioria das vezes, não há efeitos sobre o desenvolvimento fetal, disse ele, mas a febre no primeiro trimestre tem uma associação maior com defeitos congênitos graves, como fenda palatina e defeitos cardíacos.

O paracetamol é um dos medicamentos mais usados e estudados durante a gravidez e é considerado seguro para reduzir a febre e a dor de forma sensata, diz Brenner.

A FDA recomenda não usar AINEs (anti-inflamatórios não esteroides), como aspirina e ibuprofeno, durante o terceiro trimestre da gravidez, pois esses medicamentos podem causar o fechamento prematuro de um vaso sanguíneo no feto.

Yalda Afshar, professora assistente residente de obstetrícia e ginecologia na Faculdade de Medicina David Geffen da UCLA, que não participou da nova pesquisa, afirmou em um e-mail para a reportagem que recomenda que as pessoas consultem um profissional de saúde sobre o uso ou a interrupção de qualquer medicamento prescrito ou de venda livre durante a gravidez.

“Esperamos que este estudo traga tranquilidade para as mulheres grávidas que precisam tomar acetaminofeno para melhorar sua saúde de alguma forma”, afirma.

PUBLICIDADEspot_img

SUGESTÃO DE PAUTAS

PUBLICIDADEspot_img
PUBLICIDADEspot_img

notícias relacionadas