29.3 C
Jundiaí
sábado, 13 abril, 2024

Disney e magnata rico da Ásia criam novo império midiático na Índia

spot_img

A Disney se associa ao bilionário mais proeminente da Ásia para estabelecer um novo colosso midiático na Índia, visando alcançar uma audiência doméstica superior a 750 milhões de pessoas.

A Reliance Industries, liderada pelo magnata Mukesh Ambani, e a Disney combinaram suas plataformas de streaming digital e mais de 100 canais de TV na Índia em uma joint venture avaliada em cerca de US$ 8,5 bilhões, conforme anunciado em comunicado conjunto na quarta-feira (28).

Os rumores sobre essa parceria têm circulado por algum tempo, enquanto a Disney busca aproveitar a oportunidade proporcionada por uma nação com mais de 1 bilhão de habitantes, onde o inglês é amplamente falado. No entanto, a empresa enfrenta diversos desafios em seu próprio país.

Em 2019, a Disney fortaleceu significativamente sua presença no país ao adquirir a maior parte da 21st Century Fox, que incluía a extensa rede Star India.

Na nova entidade, a Reliance terá uma participação ligeiramente superior a 63%, principalmente por meio de sua subsidiária Viacom18, enquanto a Disney (DIS) deterá o restante.

“Este é um acordo histórico que marca o início de uma nova era na indústria do entretenimento indiana”, afirmou Mukesh Ambani.

Nita M. Ambani, esposa de Ambani, assumirá o cargo de presidente da joint venture, que combinará os “filmes e programas aclamados” da Disney com as “produções e ofertas esportivas renomadas” da Viacom18, conforme anunciaram as empresas. Além disso, a joint venture também visa atender à diáspora indiana em todo o mundo.

“Com a Índia sendo o mercado mais populoso do mundo, estamos entusiasmados com as oportunidades que esta joint venture proporcionará para criar valor a longo prazo para a empresa”, declarou o CEO da Disney, Bob Iger.

Disney e o sonho indiano

A Disney enfrentou diversos obstáculos na Índia, um país com um setor de mídia e entretenimento vibrante.

Em particular, em 2022, a empresa sofreu um golpe significativo ao perder os direitos digitais para transmitir as altamente populares partidas de críquete da Premier League indiana para o conglomerado de Ambani.

Como resultado, o aplicativo de streaming da Disney na Índia, o Hotstar, viu uma significativa redução no número de assinantes e enfrentou outro revés em março passado, quando parou de transmitir conteúdo da HBO.

Pouco depois, a Warner Bros. Discovery (WBD), controladora da HBO, transferiu seu conteúdo para o JioCinema de Ambani, levando consigo espectadores indianos de programas de sucesso como “Game of Thrones” e “Succession”.

No último ano fiscal, que encerrou em setembro, a receita média por assinante do Hotstar caiu para apenas 66 centavos, em comparação com 88 centavos em 2022. Além disso, o número de assinantes do Hotstar diminuiu em 39%, para 37,6 milhões.

Em uma teleconferência de resultados em novembro, Bob Iger, CEO da Disney, observou que o negócio de TV da empresa estava indo bem na Índia, mas outras partes de seus negócios no país estavam enfrentando dificuldades. Ele expressou o desejo de fortalecer a presença da empresa no mercado indiano.

PUBLICIDADEspot_img
PUBLICIDADEspot_img

SUGESTÃO DE PAUTAS

PUBLICIDADEspot_img
PUBLICIDADEspot_img

notícias relacionadas