25.4 C
Jundiaí
sábado, 28 janeiro, 2023

Como vivia a família do atirador de Aracruz (ES)

Parentes do atirador de 16 anos no bairro Coqueiral, em Aracruz (ES), vivia em uma rua silenciosa, mas agora passou a ser monitorada por uma viatura da Polícia Militar. Antes do ataque a duas escolas da região, onde o adolescente matou quatro pessoas e feriu 12 na sexta-feira (25), porém, não havia medo ou sensação de insegurança por ali.

Na via, era comum presenciar o adolescente praticando corrida ou caminhada ao lado do pai, que atua como policial militar.

Mas a interação dele se restringia à família nos últimos anos. No celular apreendido pela polícia após o crime cometido com as duas armas do PM, só havia dois contatos, registrados como “pai” e “mãe”, disse o delegado André Jaretta, responsável pela investigação.

De acordo com vizinhos próximos da casa da família ouvidos pela reportagem, o adolescente costumava desviar o olhar se alguém o cumprimentava. Ou evitava contato visual usando óculos escuros. 

Quando não estava com o pai, tinha o hábito de se exercitar em uma academia comunitária a aproximadamente 200 metros de casa ou de andar de moto pelas ruas da região, onde é mais comum ouvir o som dos pássaros do que o barulho de um carro.

Isolado

Durante a pandemia, ele passou a se isolar ainda mais, fazendo com que o pai passasse a forçar uma aproximação maior. Colegas de farda do PM dizem que ele começou a estudar psicanálise para ajudar nos cuidados com o filho, que já demonstrava alterações no comportamento desde a infância. 

Isso teria motivado uma mudança drástica na rotina do próprio pai, que deixou de consumir bebidas alcoólicas até socialmente nos últimos anos para tentar ajudar o garoto.

Relação na escola

Mesmo que considerado um bom aluno, daqueles que sentam perto da professora e tiram notas altas, ele deixou a escola estadual Primo Bitti em junho deste ano a pedido dos pais, segundo a polícia. A instituição de ensino foi o alvo do seu primeiro atentado na última sexta. 

O jovem invadiu a sala das professoras pela porta dos fundos para atirar. O palco do ataque era um ambiente que o atirador conhecia bem. Quando criança, ele acompanhava a mãe lá. Na época, ela era professora do colégio — hoje está aposentada.

Durante a infância

O autônomo Alexsandro Neumeg, 39, disse que o garoto até costumava jogar videogame ou brincar com o seu filho quando ainda era pequeno. Mas não ficava por muito tempo. 

“Era um menino que a mãe e o pai sempre vigiavam. Falavam: ‘Ó, brinca aqui na rua onde eu possa estar vendo.’ Mas isso nunca tinha me chamado a atenção. Aqui, é como você está vendo. A vizinhança não interage muito.”

Um garoto da sua idade, que também mora perto dali, disse que jogava futebol com o atirador quando eles ainda eram crianças, em uma escolinha ligada a uma igreja evangélica da região. 

O vizinho disse ter percebido a mudança de comportamento com o passar dos anos, quando eles eram colegas na escola. “Ele estava diferente. Não falava com ninguém.”

Ao contrário do pai, a mãe que participava ativamente de ações sociais e atuava como líder comunitário na região, a mãe era mais reservada. Quando ainda lecionava, não costumava se reunir com as outras professoras. A rotina dela era da casa para o trabalho.

“Rapaz… Eu moro aqui há dez anos e só conheci o pai dele em um evento comunitário na inauguração de uma academia popular. A mãe, eu nunca vi”, disse Marcelo Pedrini, 47, que olhava fixamente para a casa da família enquanto esperava pela chegada do ônibus que o levaria ao trabalho ontem.

Mudança de rotina

Após o crime, a rotina mudou por ali. Mesmo sem qualquer tipo de envolvimento com a família, os moradores também passaram a conviver com o medo de serem atingidos por algum ataque em represália ao atentado.

Os vizinhos ficaram, mas os pais do atirador não estão mais no imóvel de dois pisos. É possível ver iluminação pelas fendas da cortina que cobre a visão de uma das janelas, como se a luz de um dos cômodos permanecesse acesa. Deixaram para trás um cão, alimentado por parentes, e a sensação de tranquilidade, que até então era uma das principais características do local.

Fonte: UOL

Novo Dia
Novo Diahttps://novodia.digital/novodia
O Novo Dia Notícias é um dos maiores portais de conteúdo da região de Jundiaí. Faz parte do Grupo Novo Dia.
PUBLICIDADEspot_img

SUGESTÃO DE PAUTAS

PUBLICIDADEspot_img

notícias relacionadas