15.4 C
Jundiaí
sexta-feira, 21 junho, 2024

Disparidade salarial: CEOs ganham quase 200 vezes mais do que os trabalhadores

spot_img

Tradicionalmente, os empregadores têm auferido maiores rendimentos em relação aos trabalhadores. Contudo, a disparidade entre CEOs e funcionários está se acentuando à medida que o mercado de ações dos Estados Unidos continua a crescer.

O fosso entre CEOs e funcionários está em constante ampliação, conforme evidenciado por uma análise da Equilar e da Associated Press. Em 2023, o CEO médio do S&P 500 recebeu 196 vezes mais do que o funcionário médio, um aumento em relação à proporção de 185 em 2022.

Essa crescente disparidade é impulsionada pelo aumento notável na remuneração dos CEOs, que está fortemente vinculada aos preços das ações, contrastando com um crescimento mais lento na remuneração dos funcionários. Enquanto isso, muitos trabalhadores enfrentam dificuldades para acompanhar o custo de vida.

O salto em 2023 foi particularmente marcante. A remuneração total média dos CEOs do S&P 500, incluindo prêmios em ações, saltou para US$ 16,3 milhões nesse ano – um aumento impressionante de 12,6% em relação ao ano anterior, comparado a apenas 0,9% em 2022.

Os trabalhadores também experimentaram um aumento salarial, porém, em um ritmo consideravelmente mais lento. De acordo com o relatório, o funcionário médio do S&P 500 ganhou US$ 81.467 no ano passado, representando um aumento de 5,2% em relação a 2022.

Para colocar em perspectiva, isso significa um aumento anual de cerca de US$ 4.300 para os trabalhadores. Em contraste, os CEOs viram um incremento de US$ 1,5 milhão em suas remunerações.

Boom

Essas descobertas provavelmente são desanimadoras para os trabalhadores que estão lidando com custos crescentes em todas as áreas, desde itens básicos como alimentos e creches até despesas como seguros de automóveis. Embora a taxa de inflação nos Estados Unidos tenha diminuído, ela ainda permanece acima do normal.

Os salários estão aumentando mais rapidamente do que os preços, uma mudança em relação aos anos de 2021 e 2022. No entanto, os trabalhadores continuam a sentir o impacto acumulado de três anos de inflação elevada.

De acordo com a Moody’s Analytics, os americanos estão gastando em média US$ 1.015 a mais por mês do que em 2021, mantendo a mesma cesta de bens e serviços. Esse aumento nos custos consome quase completamente o aumento nas receitas, que aumentaram em média US$ 1.109 por mês durante esse período, conforme relatado pela Moody’s.

CEO de US$ 162 milhões

Nenhum CEO no S&P 500 chegou perto do salário total do CEO da Broadcom, Hock Tan, que acumulou impressionantes US$ 161,8 milhões no ano passado.

O substancial pagamento de Tan foi quase inteiramente impulsionado por prêmios em ações, à medida que o valor das ações da Broadcom quase dobrou no último ano. Como resultado, a remuneração do CEO da Broadcom dobrou em 2023, colocando-o em uma posição onde ganhou 510 vezes mais do que o salário médio dos funcionários da empresa.

O segundo CEO com a remuneração mais alta no ano passado, de acordo com a Equilar, foi William Lansing, da FICO, que recebeu um total de US$ 66,3 milhões.

Por sua vez, Tim Cook, presidente executivo da Apple, ficou em terceiro lugar na lista dos CEOs mais bem remunerados no S&P 500, com ganhos de US$ 63,2 milhões no ano passado, representando 672 vezes o salário médio do funcionário da Apple, que é de US$ 94.118.

A discrepância salarial é ainda mais pronunciada em algumas empresas que empregam trabalhadores horistas e de meio período.

Por exemplo, Barbara Rentler, CEO da varejista de roupas Ross Stores, recebeu US$ 18,1 milhões em remuneração total no ano passado. Enquanto isso, o funcionário médio da Ross – um associado de meio período em uma loja de varejo por hora – ganhava US$ 8.618. Isso significa que Rentler ganhou 2.100 vezes mais do que seu funcionário médio.

PUBLICIDADEspot_img

SUGESTÃO DE PAUTAS

PUBLICIDADEspot_img
PUBLICIDADEspot_img

notícias relacionadas