14.4 C
Jundiaí
quinta-feira, 20 junho, 2024

Outra mulher acusa o rapper Sean “Diddy” Combs de agressão sexual

spot_img

Na quinta-feira (23), April Lampros apresentou uma acusação de agressão sexual contra o rapper Sean “Diddy” Combs. Lampros alega ter conhecido o artista em 1994, quando era estudante no Fashion Institute of Technology de Nova York.

De acordo com a queixa, registrada em Nova York e obtida pela reportagem, Lampros acusa Combs de quatro casos de agressão sexual ocorridos entre meados da década de 1990 até o início da década de 2000. A ação também atribui ao magnata do rap lesão corporal, abuso, sofrimento emocional e violação da lei de proteção às vítimas de violência de gênero. Até o momento, o processo ainda não foi analisado pelo escrivão do condado.

“Estou confiante de que a justiça prevalecerá e o véu será removido para que nenhuma outra mulher tenha que passar pelo que eu passei”, declarou Lampros à reportagem na quinta-feira.

A reportagem solicitou comentários de um representante de Combs.

Este é o oitavo processo movido contra Combs desde novembro, sendo o sétimo que o acusa diretamente de agressão sexual. Um dos oito processos, movido pela ex-namorada Cassie Ventura, foi resolvido. Outro processo acusou o filho de Combs, Christian Combs, de agressão sexual, e Sean foi acusado de cumplicidade.

Lampros expressou a Combs seu desejo de ingressar no setor de moda, e Combs se comprometeu a orientá-la, apresentá-la a executivos do ramo da música e moda, e auxiliá-la a encontrar oportunidades de trabalho, conforme alegado no processo. No entanto, de acordo com a ação judicial, “o que o Sr. Combs demonstrou como gestos gentis rapidamente se transformou em um relacionamento agressivo, coercitivo e abusivo, baseado em sexo”.

No primeiro encontro, em 1995, Lampros alega que Combs a pressionou a beber em um bar de Nova York e, posteriormente, em um hotel, “onde ela foi deitada na cama do hotel, e o Sr. Combs a forçou a ficar sob ele”, conforme descrito no processo. Lampros afirma que Combs a estuprou depois que ela “implorou para que ele parasse”. Na manhã seguinte, ela estava “nua, dolorida e confusa”, de acordo com a ação judicial.

Em outro incidente, Lampros afirma ter sido coagida a ter relações sexuais com Combs em um estacionamento próximo ao apartamento dele em Manhattan.

O relatório também detalha que “a Sra. Lampros estava em estado de choque, moralmente esgotada, envergonhada e sofrendo dor física devido ao Sr. Combs”.

Após esses eventos, Lampros tentou se afastar de Combs, mas, segundo o processo, “ele imediatamente mudou sua abordagem e ficou com raiva, ameaçador e enérgico”. Combs teria “desenvolvido essa personalidade de mafioso, e a Sra. Lampros tinha medo dele”.

Em uma ocasião, em 1996, Combs supostamente forçou Lampros e uma de suas ex-namoradas a consumir ecstasy em seu apartamento e depois exigiu que as duas tivessem relações sexuais. Quando Lampros se opôs, Combs teria ameaçado “que poderia fazê-la perder o emprego”.

“Sentindo-se enojada, envergonhada e constrangida, ela não conseguia acreditar no que havia acontecido”.

Por volta de 1998, Lampros terminou o relacionamento com Combs. No entanto, anos mais tarde, entre o final de 2000 e o início de 2001, eles se encontraram novamente, e Combs teria agarrado violentamente Lampros, conforme a ação judicial.

Como resultado, Lampros “sofreu e continua a sofrer danos, incluindo lesões físicas, sofrimento emocional grave, humilhação e ansiedade”.

Recentemente, Lampros alega ter sido informada de que Combs havia gravado secretamente a relação sexual dos dois no passado e mostrado a várias pessoas.

Segundo Lampros, Combs tinha um temperamento explosivo e frequentemente a ameaçava de violência se ela não atendesse às suas demandas, falasse com outros homens ou não respondesse às suas ligações telefônicas. Ela também afirma que não tinha permissão para discutir seu relacionamento com Combs com ninguém.

“Ela temia que, se o desobedecesse, ele acabasse com seus sonhos de seguir uma carreira na música. O Sr. Combs também ameaçava prejudicá-la profissionalmente se ela tentasse confrontá-lo de alguma forma”, diz o processo. “Os sonhos de Lampros e tudo pelo que ela trabalhou duro estavam nas mãos dele.”

A ação foi movida pelo advogado de Lampros, Tyrone Blackburn, que também representa outras pessoas que entraram com ações judiciais contra Combs, incluindo Rodney Jones e Grace O’Marcaigh, que acusou o filho de Combs, Christian Combs, de agressão.

Além de Combs, os réus incluem a Bad Boy Records, a Arista Records e a Sony Music Entertainment. Lampros era estagiária na Arista Records – uma subsidiária da Sony Music Entertainment e antiga empresa controladora da Bad Boy Records de Diddy – durante pelo menos uma das supostas agressões, afirma o processo.

A queixa alega que a Arista Records permitiu o abuso sexual ao colocar Combs em uma posição de autoridade e não proteger Lampros.

A reportagem procurou comentários dos representantes de Combs, Bad Boy Records, Arista Records e Sony Music Entertainment.

Esta última ação judicial surge dois dias depois que a ex-modelo e vencedora do concurso Model Mission da MTV em 1998, Crystal McKinney, acusou Combs de tê-la drogado e agredido sexualmente em um processo judicial. Isso também acontece após a divulgação pela reportagem de imagens exclusivas de vigilância que mostram Combs agredindo fisicamente sua então namorada, Cassie Ventura, em 2016.

Combs está sob investigação federal conduzida por uma equipe do Departamento de Segurança Interna que trata de crimes de tráfico de pessoas, de acordo com um oficial sênior da lei federal informado sobre a investigação.

“Não houve descobertas de responsabilidade criminal ou civil em nenhuma dessas alegações”, disse Aaron Dyer, advogado de Combs, depois que duas residências do músico foram revistadas em março como parte da investigação. “O Sr. Combs é inocente e continuará lutando todos os dias para limpar seu nome.”

PUBLICIDADEspot_img

SUGESTÃO DE PAUTAS

PUBLICIDADEspot_img
PUBLICIDADEspot_img

notícias relacionadas