16.4 C
Jundiaí
quarta-feira, 29 maio, 2024

Just Stop Oil: idosas ativistas quase destroem Carta Magna da Inglaterra

spot_img

Nesta sexta-feira (10), duas integrantes do grupo ativista ambiental Just Stop Oil danificaram o vidro que protege a Carta Magna da Inglaterra, um valioso manuscrito britânico do século 13.

Segundo a organização, a Reverenda Dra. Sue Parfitt, de 82 anos, uma sacerdotisa anglicana e escritora ativa, juntamente com Judy Bruce, de 85 anos, uma professora de biologia aposentada, entraram na Biblioteca Britânica em Londres pela manhã e quebraram o vidro que protege a Carta Magna. Posteriormente, permaneceram ao lado da caixa do documento segurando um cartaz que declarava: “O governo está violando a lei”, conforme divulgado pela Just Stop Oil.

Nesta sexta-feira (10), a Biblioteca Britânica anunciou no X (antigo Twitter) o fechamento temporário da galeria onde a Magna Carta está em exposição. Em nota, a assessoria de imprensa da biblioteca postou na plataforma: “houve um incidente na Biblioteca Britânica em 10 de maio, no qual duas pessoas atacaram a caixa de vidro temperado que abriga a Carta Magna na Galeria de Tesouros da Biblioteca”.

“A equipe de segurança da biblioteca interveio para evitar danos adicionais à caixa, que foram mínimos”, informou a assessoria de imprensa, acrescentando que a polícia foi notificada e que a Carta Magna “permanece intacta”.

A Polícia Metropolitana de Londres disse à reportagem que prendeu “duas pessoas por suspeita de danos criminais, ambas atualmente sob custódia”.

A Carta Magna é frequentemente considerada a primeira declaração de direitos humanos, creditada por ter consagrado os direitos do homem na legislação inglesa. De acordo com o Parlamento do Reino Unido, o documento foi emitido em 1215 e foi o primeiro “a colocar por escrito o princípio de que o rei e seu governo não estavam acima da lei”.

Sue Parfitt, uma das ativistas, afirmou em uma declaração da Just Stop Oil que “a Carta Magna é reverenciada com razão, por ser de grande importância para a nossa história, para as nossas liberdades e para as nossas leis. Mas não haverá liberdade, nem legalidade, nem direitos, se permitirmos que o colapso climático se torne a catástrofe que agora está ameaçada”.

O grupo ativista ambiental disse que seu último ato de protesto ocorreu na mesma semana em que a política climática do governo britânico foi considerada ilegal pelo tribunal superior do país.

“Em vez de agir, nosso governo disfuncional é como os três macacos: ‘não vê nada, não ouve nada, não diz nada'”, disse a manifestante Judy Bruce. “Precisamos nos livrar de nosso vício em petróleo e gás até 2030 – começando agora”.

PUBLICIDADEspot_img

SUGESTÃO DE PAUTAS

PUBLICIDADEspot_img
PUBLICIDADEspot_img

notícias relacionadas