17.5 C
Jundiaí
sexta-feira, 24 maio, 2024

Especialistas recomendam rastreamento do câncer de mama antes dos 40 anos

spot_img

A partrir de agora, as recomendações do US Preventive Services Task Force são para as mulheres realizarem mamografias a cada dois anos, a partir dos 40 anos até os 74 anos.

Anteriormente, o USPSTF, um grupo voluntário de especialistas médicos independentes cujas diretrizes têm impacto nas decisões médicas e nos planos de saúde, recomendava mamografias bienais a partir dos 50 anos, deixando a decisão de triagem para mulheres na faixa dos 40 anos como uma escolha individual.

Essas novas diretrizes, divulgadas na terça-feira no periódico médico JAMA, substituem as recomendações anteriores do grupo, datadas de 2016. Enquanto algumas organizações, como a American Cancer Society, já preconizavam o início das mamografias aos 40 anos, as orientações atualizadas do USPSTF se aplicam a todas as pessoas designadas como do sexo feminino ao nascer, abrangendo mulheres cisgêneras, homens transgêneros e pessoas não binárias com risco médio de câncer de mama, além daquelas com histórico familiar da doença ou mamas densas.

No entanto, as diretrizes atualizadas não são aplicáveis a indivíduos com histórico pessoal de câncer de mama, marcadores genéticos de alto risco como os genes BRCA1 ou BRCA2, ou pessoas com histórico de terapia de radiação de alta dose no peito ou lesões mamárias de alto risco. Para esses pacientes, é fundamental seguir o plano delineado por seus médicos ou discutir com eles sobre a melhor abordagem a ser adotada.

“A base para essa nova recomendação atualizada reside na evidência científica mais recente, que demonstra claramente que iniciar a triagem aos 40 anos e realizar mamografias bienais até os 74 anos pode resultar em uma redução adicional das mortes por câncer de mama”, afirmou a Dra. Wanda Nicholson, presidente do USPSTF, associada sênior e professora da Escola de Saúde Pública Milken da Universidade George Washington.

O grande benefício da triagem para o câncer de mama é sua capacidade de diagnosticar casos em estágios iniciais, antes que a doença se dissemine, o que reduz significativamente o risco de morte.

Nos Estados Unidos, o câncer de mama é o segundo tipo mais comum entre mulheres, após o câncer de pele, e representa a segunda maior causa de morte por câncer, ficando atrás apenas do câncer de pulmão.

Nicholson ressaltou: “Com essa estratégia atualizada, podemos potencialmente salvar ainda mais vidas, aumentando a taxa de sobrevivência em até quase 20%”.

Por que fazer o rastreamento todo ano?

Cerca de uma em cada oito mulheres desenvolverá câncer de mama invasivo ao longo de sua vida, conforme relatado pela Sociedade Americana do Câncer, e a mamografia continua sendo a principal ferramenta para rastrear e detectar a doença.

No entanto, o USPSTF tem sido alvo de críticas por recomendar a triagem bienal, em vez da anual.

“Seguindo a terminologia do USPSTF, a triagem anual é tão ‘eficaz’ quanto a bienal, mas resulta em maiores reduções gerais na doença em estágio avançado e nas mortes por câncer de mama, além de maior ganho em anos de vida salva”, afirmou Wendie Berg, da Escola de Medicina da Universidade de Pittsburgh, em um editorial publicado no JAMA Oncology na terça-feira. Ela ainda acrescentou que “é surpreendente” o USPSTF recomendar a triagem bienal em vez da anual.

Junto com a recomendação para triagem bienal, surgem preocupações adicionais sobre como o USPSTF faz recomendações gerais para pessoas com risco médio, bem como aquelas com histórico familiar de câncer de mama ou mamas densas, afirmou Molly Guthrie, vice-presidente de políticas e defesa na fundação de câncer de mama Susan G. Komen.

Aproximadamente metade das mulheres com mais de 40 anos nos Estados Unidos apresenta tecido mamário denso, de acordo com a FDA (Food and Drug Administration) dos Estados Unidos. No entanto, a preocupação reside no fato de que essas novas diretrizes podem complicar a situação sobre o que as pessoas devem fazer.

Alguns especialistas argumentam que pessoas com histórico familiar direto de câncer de mama ou com mamas densas devem receber recomendações de triagem diferentes, pois ambos os fatores estão associados a um risco aumentado de desenvolver câncer de mama. Por isso, é crucial que as mulheres discutam com seus médicos seus históricos médico e familiar para determinar a melhor abordagem individualmente.

Enquanto isso, em sua revisão de pesquisas e dados publicados, os membros do USPSTF não encontraram evidências que apoiassem a triagem anual.

“Ao analisar nossos estudos de modelagem para avaliar o equilíbrio entre benefícios e danos, notamos um equilíbrio muito mais favorável com a triagem bienal em comparação com a anual”, explicou Nicholson. Ela também destacou que a triagem anual resulta em uma taxa 50% mais alta de resultados falso-positivos, o que pode gerar estresse emocional e procedimentos adicionais desnecessários.

A Dra. Karen Knudsen, diretora executiva da Sociedade Americana do Câncer, comentou que as novas recomendações do USPSTF representam uma mudança crítica na luta contra o câncer de mama, mas expressou desapontamento pelo fato de não incluírem mulheres com mais de 74 anos.

Por outro lado, o Colégio Americano de Obstetras e Ginecologistas recomenda que mulheres com risco médio de câncer de mama façam triagem a cada um ou dois anos a partir dos 40 anos, continuando até pelo menos os 75 anos.

Benefícios e malefícios da triagem

Para informar as recomendações atualizadas de triagem, os membros do grupo de trabalho analisaram dados de sete ensaios clínicos randomizados, 13 estudos não randomizados e um novo estudo de modelagem.

“Conseguimos avaliar o equilíbrio entre benefícios e danos em relação à triagem intervalar e à idade para iniciar a triagem”, afirmou Nicholson.

Os membros do USPSTF descobriram que a triagem bienal para câncer de mama em mulheres de 40 a 74 anos reduziu significativamente o risco de morte pela doença. No entanto, as evidências foram insuficientes para determinar o equilíbrio entre benefícios e danos para a triagem em mulheres com 75 anos ou mais. Além disso, o grupo de trabalho encontrou evidências insuficientes para avaliar os benefícios e danos da triagem complementar em mulheres com mamas densas.

As recomendações atualizadas incluem tanto a mamografia digital tradicional quanto a tomosíntese mamária digital, conhecida como “mamografia 3D”, como abordagens eficazes de triagem.

O USPSTF revisa suas recomendações a cada cinco anos para atualizá-las ou reafirmá-las, e o grupo de trabalho busca consistentemente novas evidências para informar quaisquer atualizações.

Para embasar as novas recomendações, o USPSTF observou que a incidência de cânceres de mama invasivos em mulheres de 40 a 49 anos estava aumentando cerca de 2% ao ano.

“Estamos vendo um aumento na incidência de cânceres de mama invasivos em mulheres de 40 a 49 anos”, destacou Nicholson. “Além disso, pela primeira vez, tínhamos dados sobre mulheres negras, que têm quase 40% mais chances de morrer de câncer de mama em comparação com mulheres brancas.”

As recomendações atualizadas reconhecem as “inequidades pronunciadas” no câncer de mama, observando que as mulheres negras têm maior probabilidade de serem diagnosticadas em estágios avançados e de morrer pela doença, apesar de terem menor probabilidade de serem diagnosticadas em geral.

O grupo de trabalho pediu por pesquisas rigorosas para entender melhor essas desigualdades e identificar maneiras de abordá-las.

“É crucial entender melhor por que as mulheres negras podem ter cânceres mais agressivos e como podemos abordar essas disparidades”, ressaltou Nicholson.

Em um editorial conjunto publicado no JAMA, a Dra. Joann Elmore da Escola de Medicina David Geffen da Universidade da Califórnia, em Los Angeles, e o Dr. Christoph Lee da Escola de Medicina da Universidade de Washington destacaram que as recomendações atualizadas do USPSTF lançam luz sobre a interseção em rápida evolução entre tecnologia e equidade no câncer de mama.

“No geral, as recomendações atualizadas do USPSTF destacam uma interseção em rápida evolução entre tecnologia e equidade dentro de um ecossistema de saúde já complexo, no qual disparidades permanecem um problema persistente,” escreveram Elmore e Lee. “É importante que os médicos continuem a praticar a arte da medicina para garantir que as mulheres tomem decisões informadas alinhadas com suas preferências”.

PUBLICIDADEspot_img

SUGESTÃO DE PAUTAS

PUBLICIDADEspot_img
PUBLICIDADEspot_img

notícias relacionadas