14.5 C
Jundiaí
domingo, 26 maio, 2024

O.J. Simpson falece aos 76 anos, após batalha contra o câncer

spot_img

O ex-astro da NFL e locutor, O.J. Simpson, cujas conquistas atléticas foram ofuscadas por sua absolvição em 1995 nos assassinatos de sua ex-esposa Nicole Brown Simpson e seu amigo Ron Goldman, faleceu de câncer, aos 76 anos,conforme anunciado por sua família nesta quinta-feira (11).

“No dia 10 de abril, Orenthal James Simpson, nosso pai, perdeu a batalha contra o câncer”, afirma o comunicado assinado pela família Simpson, compartilhado no perfil de O.J. no X (antigo Twitter).

“Ele estava rodeado por seus filhos e netos. Durante este período de transição, sua família pede que respeitem seus desejos por privacidade e compreensão”, conclui o comunicado.

Embora Simpson tenha sido um atleta altamente condecorado – vencendo o Troféu Heisman de 1968 como running back sênior na Universidade do Sul da Califórnia antes de jogar pelo Buffalo Bills da NFL e, posteriormente, pelo San Francisco 49ers – ele se tornou uma das figuras mais controversas do final do século XX após ser acusado dos assassinatos de sua ex-esposa e de uma amiga dela.

Um júri o considerou inocente em um julgamento que atraiu a atenção dos Estados Unidos para as celebridades, questões de raça, classe, policiamento e justiça criminal. Esse julgamento, apelidado de “Julgamento do Século”, manteve o país intrigado por quase nove meses, especialmente pela decisão do juiz de permitir que fosse televisionado.

Em 1997, outro júri considerou Simpson responsável pelas mortes em uma ação civil movida pela família da vítima e ordenou que ele pagasse US$ 33,5 milhões em danos.

Embora Simpson tenha mantido sua inocência, pesquisas mostraram em 2016 que a maioria dos americanos acreditava que ele era culpado.

Simpson acabou cumprindo nove anos de uma sentença de até 33 anos após sua condenação por acusações relacionadas a um assalto à mão armada em Las Vegas em 2007, no qual ele e outros tentaram roubar sob a mira de uma arma peças que Simpson afirmava serem de sua própria memorabilia esportiva.

Ele obteve liberdade condicional em 2017, afirmando ao conselho de liberdade condicional de Nevada: “Cumpri minha pena. Fiz isso tão bem e com o respeito que acho que qualquer um pode fazer.”

Recentemente, Simpson revigorou sua notoriedade como uma figura em escala de ídolo no X, antigo Twitter, onde frequentemente compartilhava vídeos com suas opiniões sobre futebol e política para seus quase 900 mil seguidores.

O melhor de todos

Orenthal James Simpson nasceu, filho de Eunice Simpson, auxiliar de enfermagem, e Jimmie Lee Simpson, zelador e cozinheiro, em 9 de julho de 1947, em São Francisco, onde passou os primeiros anos de sua vida no complexo habitacional Potrero Hill.

Apesar de contrair raquitismo ainda muito jovem, forçando-o a usar aparelho ortopédico até os 5 anos de idade, a habilidade atlética de Simpson ficou aparente desde cedo, e ele passou a maior parte do tempo no centro recreativo local.

“Foi naqueles anos, entre 8 e 16 anos, que desenvolvi as habilidades atléticas que tinha”, disse Simpson à Rolling Stone em 1977. “Acho que passei mais tempo no Centro do que em casa ou na escola”.

Mas o jovem Simpson também teve vários desentendimentos com a lei. Quando adolescente, ele se juntou a uma série de gangues de rua de São Francisco e foi preso diversas vezes, uma delas depois de se envolver em uma briga, disse ele à revista, chamando isso de “apenas uma parte da vida” em um bairro de baixa renda.

Embora Simpson tenha se destacado como um jovem atleta, suas notas no ensino médio não atraíram os olhares dos recrutadores de times universitários de futebol. Inicialmente, ele planejava ingressar no Exército dos EUA, mas mudou de ideia quando um amigo voltou do Vietnã após perder uma perna. Em vez disso, matriculou-se no City College de San Francisco, onde se destacou no futebol e atletismo.

Durante seu tempo no City College, marcou 54 touchdowns em dois anos, chamando a atenção de recrutadores de outras escolas, incluindo a USC, onde alcançou novos patamares de talento. Em 1968, estabeleceu a marca de corrida de uma única temporada da NCAA e venceu o Troféu Heisman por uma margem recorde na época.

Simpson ingressou na NFL como a primeira escolha geral pelo Buffalo Bills, enfrentando dificuldades iniciais antes de se destacar sob o comando do técnico Lou Saban, que o ajudou a estabelecer recordes, incluindo ser o primeiro na história a correr mais de 2.000 jardas em uma temporada, em 1973.

Após uma carreira de sucesso nos Bills, Simpson passou para o San Francisco 49ers em 1978, aposentando-se após duas temporadas. No entanto, sua influência não se limitou ao campo. Ele explorou o mundo da atuação, tornando-se um rosto reconhecido em comerciais e filmes, além de trabalhar como locutor esportivo para ABC e NBC.

Sua habilidade em cultivar uma imagem afável e carismática foi evidente em sua variedade de empreendimentos, refletindo seu desejo de ser apreciado pelo público.

Emendando casamentos

Simpson casou-se com sua namorada do ensino médio, Marguerite Whitley, em 1967, e juntos tiveram três filhos: Arnelle, Jason e Aaren, que faleceu tragicamente afogado em uma piscina em 1979.

Entretanto, o relacionamento enfrentou dificuldades e em 1978, quase um ano antes, Simpson conheceu Nicole Brown, de 18 anos, que trabalhava como garçonete na The Daisy, uma boate de Beverly Hills. Pouco tempo depois, Simpson e Whitley se divorciaram em 1979.

Simpson e Brown rapidamente iniciaram um relacionamento e se casaram em 2 de fevereiro de 1985, dando à luz dois filhos: Sydney Brooke Simpson em 1985 e Justin Ryan Simpson em 1988. No entanto, relatos indicavam que o relacionamento era marcado por volatilidade e acusações de violência doméstica.

Em um incidente emblemático no dia de Ano Novo de 1989, a polícia foi chamada à residência dos Simpson às 3h30 da manhã, onde Brown Simpson, com ferimentos visíveis, relatou que “Ele vai me matar”, segundo o Los Angeles Times, citando um relatório policial. Ela mencionou chamadas anteriores à polícia, expressando frustração com a falta de ação policial. Simpson acabou não contestando as acusações de agressão conjugal.

O casal separou-se em fevereiro de 1992, quando Brown Simpson solicitou o divórcio. Apesar de relatos de tentativas de reconciliação, eles permaneceram separados.

Assassinato da ex-mulher e do amigo

Em 13 de junho de 1994, um horrível acontecimento abalou Brentwood, Califórnia, quando os corpos de Nicole Brown Simpson, 35 anos, e Ron Goldman, 25 anos, foram descobertos brutalmente esfaqueados em sua residência, após o cachorro do casal atrair a atenção de um vizinho para a cena sangrenta.

O ex-marido de Nicole, O.J. Simpson, logo emergiu como um dos principais suspeitos, não apenas devido ao seu histórico de violência doméstica, mas também por sua conexão pessoal com as vítimas. Embora inicialmente tenha cooperado com as autoridades, voando para Chicago para um compromisso promocional, ele acabou se tornando o centro de uma intensa investigação.

Após um acordo para se entregar à polícia, Simpson falhou em cumprir a promessa, desaparecendo temporariamente e sendo posteriormente avistado em um Ford Bronco branco dirigido por seu amigo Al Cowlings. O incidente desencadeou uma perseguição televisada em todo o país, com helicópteros seguindo o veículo enquanto a polícia tentava prendê-lo. O episódio, assistido por milhões, se tornou um prelúdio para o julgamento que estava por vir.

O julgamento de Simpson foi altamente divulgado e polarizou a opinião pública. A equipe de defesa de Simpson, liderada por advogados proeminentes, buscava questionar as evidências apresentadas, enquanto a acusação, liderada por Marcia Clark e Chris Darden, concentrou-se na violência doméstica e nas provas de DNA.

O clímax do julgamento ocorreu quando Darden pediu a Simpson para calçar as luvas ensanguentadas encontradas na cena do crime. O momento, transmitido ao vivo para o mundo todo, tornou-se icônico quando as luvas pareceram não se ajustar corretamente às mãos de Simpson, levando o advogado de defesa, Johnnie Cochran, a proferir sua famosa frase: “Se não couber, você deve absolver”.

Após um longo julgamento, o júri proferiu seu veredicto: O.J. Simpson foi considerado inocente dos assassinatos de Nicole Brown Simpson e Ron Goldman. A reação ao veredicto foi polarizada, com divisões significativas entre brancos e afro-americanos sobre a culpa ou inocência de Simpson, refletindo as tensões raciais e sociais profundas presentes na sociedade na época.

PUBLICIDADEspot_img

SUGESTÃO DE PAUTAS

PUBLICIDADEspot_img
PUBLICIDADEspot_img

notícias relacionadas