13.8 C
Jundiaí
segunda-feira, 22 abril, 2024

Estudo alerta para risco de doenças cardiovasculares em mulheres que dormem pouco

spot_img

Dormir menos de sete horas por noite pode elevar o risco de desenvolver doenças cardiovasculares em mulheres, conforme indica uma pesquisa divulgada recentemente na revista Circulation. Os resultados revelaram que a privação de sono pode estar relacionada a um aumento nas probabilidades de ocorrência de AVC (acidente vascular cerebral) e infarto do miocárdio.

Para alcançar essa conclusão, o estudo examinou os padrões de sono e os registros de saúde de 2.964 mulheres com idades entre 42 e 54 anos. Todas as participantes estavam na fase pré-menopausa, não estavam sob terapia hormonal e não apresentavam histórico de doenças cardíacas. O estudo foi conduzido ao longo de um período total de 22 anos.

Durante a pesquisa, as participantes preencheram questionários sobre seus hábitos de sono, incluindo a presença de sintomas de insônia, bem como sobre sua saúde mental e sintomas associados à menopausa, como ondas de calor. Além disso, os formulários continham perguntas sobre medidas antropométricas, como altura e peso, e histórico de condições cardíacas, como infarto, AVC e insuficiência cardíaca.

Segundo os achados do estudo, aproximadamente uma em cada quatro mulheres demonstrou sintomas de insônia, incluindo dificuldade para iniciar o sono, manter o sono (com despertares frequentes durante a noite) e tendência a acordar mais cedo do que o desejado. Cerca de 14% das participantes enfrentavam regularmente períodos de sono curtos, enquanto aproximadamente 7% relatavam sintomas habituais de insônia.

De acordo com os pesquisadores, as participantes que exibiam esses sintomas enfrentavam um risco aumentado de desenvolver doenças cardiovasculares mais tarde na vida. Além disso, aquelas que rotineiramente dormiam menos de cinco horas por noite enfrentavam um risco ainda mais elevado de desenvolver tais doenças.

Segundo o estudo, os riscos eram 75% maiores em comparação com aquelas que não apresentavam sintomas intensos de insônia e dormiam mais horas por noite.

Dicas

Para aprimorar a qualidade do sono e, por conseguinte, a saúde em geral, é crucial adotar certos hábitos. Em uma reportagem, o cardiologista e presidente da Associação Brasileira do Sono, Luciano Drager, apresentou algumas sugestões:

  • Determinar horários para dormir e acordar;
  • Evitar cochilos durante o dia;
  • Organizar o ambiente para uma boa noite de sono;
  • Manter uma alimentação equilibrada durante o dia;
  • Evitar o uso de tecnologia antes de dormir;
  • Praticar exercícios físicos;
  • Praticar técnicas de relaxamento antes de dormir;
  • Cuidar da saúde mental.
PUBLICIDADEspot_img
PUBLICIDADEspot_img

SUGESTÃO DE PAUTAS

PUBLICIDADEspot_img
PUBLICIDADEspot_img

notícias relacionadas