26.4 C
Jundiaí
sábado, 24 fevereiro, 2024

Budweiser sofre boicote após parceria com influencer trans e vendas caem 17%

spot_img

As vendas da cerveja caíram em uma semana e, logo depois do início do boicote, a empresa perdeu R$ 30 bilhões em valor de mercado. Por conta da polêmica, a Budweiser decidiu afastar dois diretores

A marca de cerveja Budweiser tem sido alvo de boicote nos Estados Unidos, desde o início de abril, após ter contratado a influenciadora transgênero Dylan Mulvaney para participar de uma ação publicitária. Depois da publicação de um vídeo em que Mulvaney mostra a bebida, grupos conservadores norte-americanos iniciaram uma série de ações que resultaram na queda de 17% nas vendas da empresa na última semana e perda de valor de mercado de aproximadamente R$ 30 bilhões.

O caso envolve a Bud Light, uma variação da bebida mais leve e com menos calorias. O vídeo foi publicado pela influenciadora, que tem 1,8 milhões de seguidores no Instagram e 10,8 milhões no TikTok, em 1º de abril e Mulvaney aparece mostrando seis latas da cerveja que foram enviadas para ela com um desenho de seu rosto estampado na embalagem, como forma de comemorar o marco de um ano desde que se declarou trans publicamente.

As reações começaram logo que o conteúdo foi publicado nas redes sociais da influenciadora. Grupos estadunidenses conservadores passaram a acusar a Budweiser de apoiar causas transgênero e de “expor crianças à sexualidade” — mesmo que nos Estados Unidos a venda de cervejas seja proibida para menores de 21 anos.

Celebridades e políticos entraram na onda de sabotagem à empresa, incluindo o músico Kid Rock, que fez sucesso no país entre os anos 1990 e 2000. Ele compartilhou um vídeo em seu Instagram em que aparece com um fuzil automático e atira diversas vezes contra caixas de Bud Light.

Outras personalidades como o influenciador de direita Ben Shapiro e o deputado republicano do Texas Dan Crenshaw, incentivaram o boicote. Além disso, segundo a imprensa local, houve uma ameaça de bomba a uma fábrica da Budweiser em Los Angeles.

Em meio à polêmica e com perdas significativas em suas ações e em vendas, a AB InBev, abreviação para Anheuser-Busch, dona da marca Budweiser, anunciou o afastamento de dois diretores de marketing. Alissa Heinerscheid, vice-presidente de marketing da Bud Light, e Daniel Blake, vice-presidente da Anheuser-Busch e responsável por supervisionar o marketing das principais marcas da Anheuser-Busch, entraram de licença.

A empresa emitiu comunicado, que foi divulgado pelo jornal The New York Times, primeiro veículo a noticiar o caso, e confirmou as mudanças na equipe de marketing. De acordo com a cervejaria, os ajustes foram feitos para “reduzir camadas”. “Fizemos alguns ajustes para simplificar a estrutura de nossa função de marketing para reduzir as camadas, de modo que nossos profissionais de marketing mais experientes estejam mais conectados a todos os aspectos das atividades de nossas marcas”, afirmou.

O presidente-executivo da Anheuser-Busch InBev, Brendan Whitworth, também tocou no assunto em outro comunicado, emitido em 14 de abril. Segundo ele, a AB InBev “nunca pretende fazer parte de uma discussão que divide as pessoas”. “Nosso negócio é reunir as pessoas para tomar uma cerveja”, ressaltou. Já a influenciadora trans Dylan Mulvaney falou indiretamente sobre o boicote durante entrevista a um podcast e disse que é um alvo fácil por ser nova nas redes sociais. “Acho que ir atrás de uma mulher trans que faz isso há 20 anos é muito mais difícil […] Mas qual é o objetivo deles?”, indagou Mulvaney.

Os grupos conservadores que protagonizam o boicote também acusam Mulvaney de zombar das mulheres e de reproduzir estereótipos machistas sobre o comportamento feminino.

No vídeo publicado pela influenciadora, que durou menos de um minuto, ela fala, principalmente, sobre um sorteio de 15.000 dólares que a Budweiser promoveu durante o “March Madness” — Março da Loucura, em português. A expressão é usada para se referir ao campeonato de basquete que acontece no mês de março com as universidades selecionadas para disputar o torneio da NCAA, principal competição de basquete universitário.

Tanto na legenda da publicação quanto no vídeo, Mulvaney afirma que não sabia que “March Madness” era sobre esportes. Nas imagens ela está vestida com roupas, acessórios e usa um penteado que remete aos anos 1960, se assemelhando à personagem do filme Bonequinha de Luxo. Além disso, a influenciadora comenta que a Budweiser enviou uma lata alta com seu rosto estampado para comemorar os 365 dias, completados em março, desde que se revelou transgênero.

Novo Dia
Novo Diahttps://novodia.digital/novodia
O Novo Dia Notícias é um dos maiores portais de conteúdo da região de Jundiaí. Faz parte do Grupo Novo Dia.
PUBLICIDADEspot_img

SUGESTÃO DE PAUTAS

PUBLICIDADEspot_img
PUBLICIDADEspot_img

notícias relacionadas