spot_img
spot_img
27.6 C
Jundiaí
sexta-feira, 3 dezembro, 2021
spot_img

“Ozark” é uma das melhores séries da Netflix (que você não assistiu)

Lembro bem, como se fosse ontem: Com a chegada da elogiadíssima 3º temporada da série “Ozark” em 2020, série original da Netflix, a curiosidade falou mais alto e fui conferir as duas temporada anteriores (lançadas em 2017 e 2018) e eu simplesmente tomei um baita susto e uma tremenda surpresa. A 3º temporada, que deveria ter saído lá em 2019, ganhou a luz do dia somente um ano depois e entrou no meu radar, para que eu realmente pudesse entender o que, de fato, eu estava perdendo. Justamente por ter achado a premissa um tanto quanto parecida com “Breaking Bad” em uma breve sinopse que li (série essa que sou fã, excepcionalmente bem escrita) mas novamente tomei outra surpresa ao notar que “Ozark” não tenta ser “o Breaking Bad da Netflix”. Era justamente o que eu mais temia e que de fato não ocorreu. Que bom!

Protagonizada por Jason Bateman (famoso por estrelar comédias romanticas e aqui, surpreendendo demais em um papel dramático) e Laura Linney (O Show de Truman e vários filmes), “Ozark” basicamente acompanha a história de um pai de família que erroneamente topa junto de um sócio utilizar o próprio negócio como lavanderia de dinheiro para um cartel mexicano conhecido como “Cartel Navarro”, um dos mais cruéis e agressivos da atualidade, dentro do universo fictício da série. Porém, o sócio de Marty Byrde (Jason Bateman) trai a confiança dos criminosos e rouba o cartel, que assim que descobre o ocorrido, acaba o executando e os demais funcionários da empresa. Sem ter opções a não ser convencer os perigosos traficantes de que conseguiria repor o prejuízo causado pelo finado sócio, Byrde se muda com a esposa e filhos de Chicago para o Lago Ozark, no Missouri, aonde começa a empreitada de abrir novos negócios de fachada, para desta vez, lavar o dinheiro da máfia sem correr riscos. Mas ele não poderia estar mais enganado com relação à isso.

A família Byrde, típica “família perfeita” americana, envolvida com tráfico e lavagem de dinheiro em, Ozark

Com um roteiro absolutamente bem escrito, engenhoso e surpreendente a todo momento, “Ozark” consegue fisgar logo nos primeiros episódios e tem um formato acertado de 10 episódios por temporada. Cada episódio tem a duração de 1 hora e, mesmo sem ter um elenco tão expressivo para o grande público, mostra carisma de sobra ao contar a história dessa “pacata família” que acaba se envolvendo de cabeça no crime organizado e chacoalhando a vida de todos os habitantes da pacata região do lago em que habitam. Manter as aparências é preciso, assim como se esquivar das investigações secretas do FBI, formar alianças, criar novos vínculos, desmentir boatos, amenizar suspeitas e eliminar inimigos, pois a falta de sucesso na missão certamente custará as suas vidas. E as vidas de seus filhos.

“Ozark” atualmente conta com 93% de aprovação dentre os usuários do Google, 4/5 estrelas no IMDB, 4,5/5 estrelas nas críticas do site AdoroCinema e 80% de aprovação dos críticos no Rotten Tomatoes (e 92% de aprovação do público). Imaginando aqui, cá com os meus botões, porque essa série ainda não “estourou” diante do grande público, como por exemplo, dentre quem consome produções como “La Casa de Papel” mas acho que o perfil talvez seja realmente outro. Creio que todo fã de “Sons of Anarchy” e “Breaking Bad” deveria sim dar uma chance a “Ozark”, que cada vez mais cresce dentro de sua própria mitologia e expande os horizonte ao desenvolver de maneira muito interessante personagens, até então, coadjuvantes, como a esposa de Marty, Wendy Byrde (Laura Linney) e Ruth Langmore, vivida por Julia Garner.

Laura Linney surpreendendo cada vez mais no papel de Wendy Byrde. Em Ozark, nada é exatamente o que parece ser.

“Ozark” é tensa, empolgante, deliciosamente perigosa, super bem escrita, bem dirigida e que merece ser apreciada sem pressa, se você conseguir, claro. Ao iniciar, dificilmente você vai conseguir parar de assistir e não se perguntar qual será o próximo passo da família Byrde. A Netflix confirmou que a 4º temporada será justamente a última da série, afim de dar um final coeso e satisfatório para o público, deixando assim de cometer o erro comum em séries de tv de sucesso: prolongar demais a duração pela audiência, e assim, comprometer completamente o bom andamento do projeto. A série encerra no segundo semestre desse ano de 2021 mas até agora, não ganhou uma data oficial, o que deve ocorrer em breve, levando em consideração que estamos cada mais próximos de Junho. Quando assistir e ficar amarradão, lembra da minha indicação, volta aqui e compartilha o meu texto, pra mais gente se surpreender feito você.

Felipe Gonçalves

Apresentador e colunista do Novo Dia Geek

Novo Diahttps://novodia.digital/novodia
O Novo Dia Notícias é um dos maiores portais de conteúdo da região de Jundiaí. Faz parte do Grupo Novo Dia.
PUBLICIDADEspot_img
PUBLICIDADEspot_img

SUGESTÃO DE PAUTAS

notícias relacionadas