14.4 C
Jundiaí
sexta-feira, 19 julho, 2024

Você conhece o transtorno alimentar restritivo evitativo?

Aos 7 anos, Hannah revelou aos pais seu desejo de não ter mais medo da comida. Ela havia deixado de participar das atividades das escoteiras, festas de aniversário, refeições em restaurantes, celebrações familiares e até mesmo de se sentar à mesa de jantar. A presença constante da comida gerava-lhe uma enorme ansiedade, relata sua mãe, Michelle, que prefere não revelar o sobrenome para proteger a privacidade de Hannah.

Michelle notou pela primeira vez o problema quando tentou substituir o leite de fórmula por leite comum e alimentos sólidos para a pequena Hannah — mas Hannah recusou. Frequentemente, ela fechava os lábios ou cuspia a comida oferecida.

À medida que envelhecia, Hannah tinha uma lista restrita de cerca de cinco alimentos que aceitava comer, e esses alimentos eram bastante específicos. Por exemplo, ela comia batatas fritas de creme azedo e cebola verde da marca Pringles, mas apenas os pacotes pequenos, nunca o recipiente grande, conta Michelle.

Atualmente, com 8 anos, Hannah está sendo tratada para o Transtorno Alimentar Restritivo/Evitativo (TARE). Diferente de transtornos alimentares como anorexia ou bulimia nervosa, esse diagnóstico não está relacionado à preocupação com a forma ou o tamanho do corpo, explica Kate Dansie, diretora clínica do Centro de Transtornos Alimentares em Rockville, Maryland.

Em vez disso, pessoas com TARE têm uma alimentação extremamente limitada, consumindo apenas os alimentos com os quais se sentem seguras e confortáveis, esclarece Dansie. Esse transtorno vai além de ser simplesmente “seletivo”; pode ser debilitante e causar problemas de saúde a longo prazo.

O diagnóstico de TARE é relativamente novo, tendo sido adicionado apenas na quinta edição do Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais (DSM-5) em 2013. O DSM é a principal referência utilizada por profissionais de saúde para diagnosticar transtornos mentais.

Embora se estime que 9% da população dos EUA enfrentará um transtorno alimentar em algum momento da vida, estudos sugerem que entre 0,5% e 5% da população tem TARE, segundo a Associação Nacional de Transtornos Alimentares.

“Eu chamaria isso de transtorno alimentar silencioso porque, apesar de ser muito prevalente, é o menos estudado, o menos comentado e o menos financiado em termos de pesquisa federal”, afirma Stuart Murray, professor associado de psiquiatria e ciências comportamentais na Universidade do Sul da Califórnia e diretor do Laboratório de Pesquisa Translacional em Transtornos Alimentares.

A seguir, listamos o que os especialistas querem que você saiba sobre o TARE.

O transtorno

Em vez de restringirem calorias ou o conteúdo nutricional, as pessoas com TARE geralmente limitam sua alimentação com base em preferências sensoriais ou texturais, explica Murray.

“É quando uma pessoa normalmente restringe a variedade e a quantidade de alimentos devido a crenças incrivelmente debilitantes sobre a composição dos alimentos”, acrescenta. “Exemplos podem incluir evitar completamente alimentos com certas texturas, cheiros, sabores, ou até mesmo marcas específicas.”

Em alguns casos, pessoas com TARE tiveram uma experiência traumática com comida, como engasgar, o que leva a uma maior vigilância ao comer, diz Murray. Outras vezes, indivíduos com essa condição parecem ter um apetite reduzido e uma alta ansiedade em relação à comida, explica.

Uma personalidade rígida ou com medo de mudanças também pode contribuir para os sintomas de TARE, segundo Murray.

O que fazer?

Embora ainda haja muito que os pesquisadores precisam aprender sobre o TARE, há recursos disponíveis, afirma Murray. “A primeira coisa que devemos saber é que a intervenção precoce é essencial, pois a lista de alimentos evitados pode crescer exponencialmente”, diz.

Embora não haja muitos dados sobre a eficácia de medicamentos, a terapia — incluindo a terapia cognitivo-comportamental (TCC) — tem ajudado muitas pessoas.

A terapia para TARE “geralmente envolve uma exposição guiada aos alimentos para que a pessoa possa reaprender associações com esses alimentos e, eventualmente, parar de evitá-los”, explica Murray.

Em casa, as famílias podem adotar algumas medidas para melhor apoiar uma criança com TARE, como garantir que a criança obtenha calorias suficientes antes de focar na variedade, afirma Nicole Stettler, diretora clínica executiva dos Serviços de Recuperação de Transtornos Alimentares da Rogers Behavioral Health.

Você também pode fornecer à criança ferramentas como cronômetros ou lembretes visuais para comer e tentar a “cadeia alimentar”, uma estratégia que combina novos alimentos com aqueles que a criança já sabe que gosta, sugere Stettler.

Para as famílias e cuidadores de alguém com TARE, é importante lembrar que eles não estão tentando ser difíceis — embora possa ser frustrante sentir que as estrelas precisam se alinhar para que uma refeição corra bem, acrescenta Murray.

“É realmente, realmente frustrante, porque na maioria das vezes as estrelas não se alinham e eu não sei a fórmula para fazer com que ele ou ela coma”, diz Murray. No entanto, é “realmente prejudicial para qualquer criança com qualquer transtorno psiquiátrico sentir-se punida por isso, então é muito importante não punir e adotar uma postura de apoio por parte dos pais.”

Cinco meses após o início do tratamento, Hannah está se esforçando para experimentar coisas novas com frequência e dar três mordidas para dar uma chance completa, relata Michelle. Sua confiança aumentou, ela está mais curiosa e sua lista de “alimentos seguros” cresceu em 11 itens, completa.

“Nossa meta é levá-la a um bom lugar… para que, à medida que ela envelheça, tenha as ferramentas de que precisa”, conclui Michelle.

PUBLICIDADEspot_img

SUGESTÃO DE PAUTAS

PUBLICIDADEspot_img

notícias relacionadas