16.2 C
Jundiaí
sábado, 13 julho, 2024

Física moderna sugere que o tempo pode ser apenas uma ilusão

O conceito do tempo, apesar de familiar, é desafiado pela física moderna, que sugere que ele pode ser, em grande parte, uma ilusão. O debate sobre sua verdadeira natureza e até sua existência fundamental está cada vez mais intenso, explorando questões profundas da física teórica.

Espaço-tempo, segundo Einstein

No começo do século 20, Albert Einstein transformou nossa compreensão de espaço e tempo com suas Teorias da Relatividade Especial (1905) e Geral (1915). Segundo essas teorias, o tempo varia com a velocidade do observador e o campo gravitacional ao qual ele está exposto, conceitos confirmados por experimentos científicos.

Desde então, passamos a conceber o tempo como uma dimensão de natureza semelhante às três dimensões espaciais, sendo assim considerada a quarta dimensão.

Mais lento

Suponha que o relógio da sua casa marca 10 horas quando você sai para caminhar e 11 horas quando volta. Segundo o senso comum, uma hora se passou para você e seu relógio de bolso, que também teria marcado uma hora, se estivesse funcionando corretamente. No entanto, isso não é totalmente preciso.

Devido ao seu deslocamento, o tempo decorrido para você e seu relógio é ligeiramente menor do que para o relógio que deixou em casa. Essa diferença é tão pequena que, para todos os propósitos práticos, pode ser considerada insignificante. Porém, quando experimentos são realizados usando relógios atômicos, descobre-se que há uma diferença no tempo decorrido, exatamente como previsto pela teoria de Einstein.

O mesmo fenômeno ocorre com a gravidade: quanto mais intenso o campo gravitacional, mais lento o tempo passa. Por exemplo, o tempo passa mais rápido em sua cabeça do que em seus pés quando você está em pé. Essas discrepâncias foram confirmadas por experimentos.

Não há um “tempo universal”. Não podemos afirmar que, em um determinado momento, a realidade é a mesma para todos, composta de eventos simultâneos em diferentes lugares. Para outro observador, os eventos que constituem a “realidade presente” podem ser diferentes.

Fluxo do tempo

A percepção psicológica mais marcante sobre o tempo é que, ao contrário do espaço, ele flui. Os eventos passados já ocorreram e não existem mais, enquanto os futuros ainda não aconteceram. A única existência real é o presente.

No entanto, as equações da física não afirmam que o tempo flui nessa direção. Elas relacionam eventos em momentos diferentes (ou seja, com valores diferentes da coordenada de tempo), mas não implicam que o tempo progrida do passado para o futuro.

De maneira surpreendente, a passagem do tempo é provavelmente uma ilusão muito poderosa.

Alucinação coletiva?

Se o tempo fluísse mais lentamente ou até mesmo retrocedesse, não perceberíamos nenhuma mudança. Isso ocorre porque fazemos parte do Universo e nossos processos cerebrais, e consequentemente nossos pensamentos, também desacelerariam ou retrocederiam em sincronia com todos os relógios e fenômenos físicos ao nosso redor.

Portanto, a resposta é que não perceberíamos nenhuma diferença em nossa percepção do tempo. Tudo seria sentido da mesma forma, com nossos pensamentos e memórias ocorrendo em sincronia com o ritmo do Universo, independentemente de qualquer mudança na fluidez do tempo.

Natureza do tempo

Embora a maioria dos físicos concorde com o que foi mencionado acima, a verdade é que ainda não compreendemos completamente a natureza do tempo em toda sua profundidade. Essa compreensão só virá quando a Teoria da Relatividade Geral e a Mecânica Quântica, os dois pilares da física moderna, forem reconciliadas.

Por enquanto, podemos considerar a ideia de que a passagem do tempo, seja desejada ou indesejada, pode ser apenas uma ilusão.

Big Bang

No início do Universo, durante o Big Bang, a entropia era extremamente baixa, indicando muito pouca desordem. A razão para esse fenômeno crucial ainda não é plenamente compreendida, embora existam modelos teóricos interessantes que tentam explicá-lo. Foi graças a essa condição inicial que a entropia pôde aumentar, dando origem à seta do tempo com a qual estamos familiarizados.

Desde aquele momento primordial, a entropia tem continuado a aumentar através de processos irreversíveis, como os mencionados anteriormente (quebra de ovos, mistura de líquidos) e processos em maior escala (como a queima de hidrogênio nas estrelas).

Esses processos irreversíveis produzem um forte senso de causa e efeito na ordem temporal. No entanto, nas equações da física fundamental, não encontramos uma distinção clara entre eventos reversíveis e irreversíveis, pois todos os processos são teoricamente reversíveis.

PUBLICIDADEspot_img

SUGESTÃO DE PAUTAS

PUBLICIDADEspot_img

notícias relacionadas