13.5 C
Jundiaí
domingo, 21 julho, 2024

Estudo revela que remédios para diabetes na gravidez não trazem riscos ao bebê

publicidadespot_imgspot_img

Recentes estudos lançaram preocupações sobre uma potencial relação entre a metformina, um medicamento amplamente prescrito para diabetes tipo 2, e um aumento no risco de defeitos congênitos em bebês concebidos por mulheres que o utilizam. No entanto, novas pesquisas indicam que o uso da metformina por homens que planejam conceber ou por mulheres no início da gravidez não parece estar ligado a um aumento no risco de defeitos congênitos graves em seus filhos.

Os dois estudos, divulgados na segunda-feira (17) pelo Annals of Internal Medicine, contradizem uma pesquisa de 2022 que associava o uso de metformina por homens nos três meses anteriores à concepção a um aumento de 40% no risco de defeitos congênitos em seus filhos.

Ran Rotem, autor do novo estudo sobre o uso paterno de metformina e pesquisador da Harvard T.H. Chan School of Public Health, destacou que os resultados proporcionam “tranquilidade” para os pais. Segundo ele, convencionalmente o foco tem sido na mãe quando se trata da saúde fetal e do recém-nascido, mas cada vez mais se reconhece a importância do pai.

Ele sugeriu que o aumento do risco de defeitos congênitos observado em estudos anteriores pode estar mais relacionado à própria doença do diabetes ou a condições de saúde associadas do que à medicação em si.

“Quando consideramos um medicamento, também é crucial avaliar as condições subjacentes para as quais o medicamento é normalmente indicado”, afirma Rotem. “Sabemos que o próprio diabetes apresenta complexidades tanto em relação à fertilidade quanto a possíveis complicações durante a gravidez e no recém-nascido.”

A metformina é amplamente reconhecida como um tratamento de primeira linha para o diabetes tipo 2 e tem sido utilizada desde a década de 1960 para ajudar a controlar os níveis de açúcar no sangue.

Atualmente, é o medicamento mais prescrito para o diabetes tipo 2, e é recomendado que as pessoas informem ao médico se planejam engravidar, estão grávidas ou amamentando antes de iniciar o uso de metformina.

E a saúde do pai?

Para o estudo sobre o uso paterno de metformina, pesquisadores da Harvard T.H. Chan School of Public Health e do Kahn-Sagol-Maccabi Research and Innovation Center do Maccabi Healthcare Services, em Israel, analisaram dados de registros de nascimento e registros médicos abrangendo quase 400 mil bebês nascidos em Israel entre 1999 e 2020.

Eles compararam esses dados com informações dos pais dos bebês, incluindo idades, resultados de exames laboratoriais e registros de medicamentos, como prescrições de metformina.

Embora a duração específica do uso da medicação não tenha sido analisada, Ran Rotem, autor do estudo, destacou que muitos dos homens haviam utilizado a metformina por períodos prolongados, e os resultados foram consistentes para esses casos.

O estudo revelou que a prevalência de grandes defeitos congênitos foi de 4,7% entre crianças cujos pais não foram expostos a medicamentos para diabetes nos meses anteriores à concepção, comparado a 6,2% entre crianças cujos pais foram expostos à metformina nesse período.

Após ajustar os dados para outras condições de saúde dos pais e para se a mãe também tinha diabetes ou comorbidades relacionadas, os pesquisadores não encontraram aumento no risco de grandes defeitos congênitos em crianças expostas à metformina paterna.

Os pais que utilizaram medicamentos para diabetes antes da concepção tendiam a ser mais velhos, apresentavam maior prevalência de condições de saúde subjacentes, problemas de fertilidade e histórico de tabagismo em comparação aos pais não expostos a esses medicamentos.

Ran Rotem enfatizou que o uso paterno de metformina durante o período de desenvolvimento do esperma não parece estar associado a um risco aumentado de malformações em recém-nascidos, o que oferece segurança para pais que usam o medicamento para controlar o diabetes enquanto planejam iniciar uma família.

Ele ressaltou ainda a importância de manter um bom perfil de saúde cardiometabólica tanto para homens quanto para mulheres, dado que condições de saúde pré-existentes podem influenciar os resultados na gravidez.

Os dados também sugeriram que mães de crianças cujos pais usaram metformina tinham uma maior prevalência de condições de saúde subjacentes, incluindo diabetes e outras comorbidades metabólicas.

No contexto mais amplo, Rotem observou que o controle do diabetes através de mudanças no estilo de vida, como dieta e exercícios, é preferível sempre que possível. No entanto, quando necessário o uso de medicação, a metformina parece ser uma escolha segura para ambos os pais.

Além disso, o estudo destacou que o risco de defeitos congênitos era mais elevado quando o pai usava metformina em combinação com outros medicamentos para diabetes, conhecido como politerapia, enquanto o uso isolado de metformina, chamado de monoterapia, não apresentou aumento significativo no risco.

Ao analisar regimes de tratamento específicos, os pesquisadores observaram modestos aumentos de risco associados à politerapia, sugerindo que esses resultados podem estar mais relacionados ao perfil de saúde geral dos pais do que aos próprios medicamentos.

Em resumo, os resultados do estudo fornecem evidências tranquilizadoras de que o uso paterno de metformina isoladamente não está ligado a um aumento significativo no risco de defeitos congênitos graves em recém-nascidos, reforçando a segurança deste medicamento para pais que buscam controlar o diabetes enquanto planejam a concepção.

PUBLICIDADEspot_img

SUGESTÃO DE PAUTAS

PUBLICIDADEspot_img

notícias relacionadas