25.4 C
Jundiaí
sábado, 28 janeiro, 2023

Cracolândia: maior repressão policial gera tensão, dizem especialistas

Fonte: Agência Brasil

A intensificação da repressão policial e as notícias de que a prefeitura de São Paulo pretende adotar uma política de internações forçadas têm aumentado a tensão entre as pessoas que frequentam a Cracolândia, na região central da cidade, segundo especialistas que atuam nessa parte da capital. Esse seria, de acordo com esses profissionais, um dos motivos do tumulto da noite de ontem (22), quando houve um conflito entre a Guarda Civil Metropolitana (GCM) e as pessoas em situação de rua e usuárias de drogas que se concentram nos bairros da Luz e Santa Ifigênia.

O psiquiatra Flávio Falcone, que coordena o projeto Teto, Trampo, Tratamento, disse que um grupo de frequentadores da Cracolândia ateou fogo em objetos e fez barricadas na rua devido à violência policial promovida pela GCM ao longo do dia. “Eles fizeram o fluxo [concentração de pessoas da Cracolândia] andar o dia inteiro, sem parar. Impediram a distribuição de marmitas [por voluntários]. Não deixaram eles nem sentarem para comer a marmita”, disse.

Ainda segundo o relato de Falcone, a situação fez com que um grupo se revoltasse e fizesse as barricadas com fogo na Rua dos Gusmões. “Quando chega às 21h, eles [GCM] jogam bombas no fluxo, e o fluxo reage com as barricadas de fogo. É uma reação à prefeitura ter intensificado a violência policial”, enfatiza o médico.

A antropóloga e pesquisadora Amanda Amparo diz que a repressão policial se intensificou nas últimas quatro semanas, após a ação que dispersou a concentração de pessoas que ficava de forma fixa na Rua Helvetia. “A lógica da circulação se intensificou muito”, afirma. Além disso, há a notícia de que a prefeitura pretende promover internações forçadas dos usuários de drogas. “A ideia da internação involuntária está correndo. Está todo muito tenso, com muito medo, por causa disso”, acrescenta.

Novo programa

No último dia 11 de janeiro, o prefeito Ricardo Nunes disse que seria anunciado hoje (23) um novo programa para a região da Cracolândia. Na ocasião, o secretário municipal da Saúde, Luiz Carlos Zamarco, disse que os serviços públicos tinham dificuldades de promover a adesão por vontade própria das pessoas com problemas de consumo abusivo de drogas.

Além disso, Nunes defendeu, na ocasião, as ações em que a oferta de atendimento de saúde é feita após os usuários serem levados à delegacia, onde é feito um registro de ocorrência. Em seguida, a pessoa é enviada para fazer uma avaliação médica e ser encaminhada para uma internação para desintoxicação.

Amparo, que tem pesquisado justamente essa forma de atuação, afirma que essas ações não têm promovido melhora da qualidade de vida das pessoas vulnerabilizadas da região. “Não tem nenhum caso de sucesso mediado pela segurança pública para chegar até o equipamento de saúde”, ressalta.

Para ela, caso as internações forçadas passem a ser usadas de forma ampla, a situação tende a se agravar. “Vai existir uma série de problemas por conta disso, porque as pessoas não vão ficar paradas esperando ser levadas a contragosto” prevê.

A pesquisadora acredita que o ideal seria que as políticas para a região fossem baseadas na oferta de moradia. “Quando você vai conversar com os próprios usuários, é o que eles mais dizem, que se eles tivessem onde ficar mais seguros eles não ficariam na rua”, destaca Amparo.

A avaliação é compartilhada por Falcone. “A moradia é uma questão central na vida dessas pessoas, em que o crack é usado para esconder o real problema, que é social”, afirma.

Hoje, o prefeito participou de um almoço com o governador de São Paulo, Tarcísio Freitas, no Palácio dos Bandeirantes, sede do governo paulista. Segundo a agenda do chefe do Executivo municipal, também estava prevista a participação do vice-governador, Felício Ramuth, responsável por gerir as questões relativas à Cracolândia pelo governo estadual, além do procurador-geral do Ministério Público de São Paulo, Mário Sarrubo, e o presidente do Tribunal de Justiça, desembargador Ricardo Anafe. Porém, nenhum anúncio foi feito.

Nem o governo estadual, nem a prefeitura responderam à reportagem da Agência Brasil sobre a data de lançamento do novo programa.

Outro lado

Em relação ao tumulto da noite de ontem, a prefeitura diz que a GCM foi até a Rua dos Gusmões após a via ter sido fechada pelos frequentadores da Cracolândia. Ainda de acordo com a nota, a GCM foi recebida com pedras lançadas pelo grupo de pessoas. “A situação foi rapidamente controlada pelo efetivo da GCM e a via foi liberada”, resume o comunicado a respeito da operação.

A prefeitura diz ainda que desde dezembro intensificou o patrulhamento na região, aumentando o contingente de guardas municipais, motos e viaturas. “As ações da GCM visam garantir a proteção da população local, das pessoas em situação de vulnerabilidade e dos agentes públicos das Secretarias de Assistência e Desenvolvimento Social e Direitos Humanos, Saúde e Subprefeituras durante a execução dos serviços municipais realizados na região”, acrescenta a nota.

Novo Dia
Novo Diahttps://novodia.digital/novodia
O Novo Dia Notícias é um dos maiores portais de conteúdo da região de Jundiaí. Faz parte do Grupo Novo Dia.
PUBLICIDADEspot_img

SUGESTÃO DE PAUTAS

PUBLICIDADEspot_img

notícias relacionadas