22.8 C
Jundiaí
terça-feira, 29 novembro, 2022

PEAMA promove inclusão através de esporte

PUBLICIDADEspot_img

Idealizado e implantado em 1996, o Programa de Esportes e Atividades Motoras Adaptadas (PEAMA), da Unidade de Gestão de Esporte e Lazer (UGEL), tem como objetivo principal democratizar o acesso às atividades esportivas, e assim incluir pessoas com deficiência, utilizando o esporte como ferramenta. Pode parecer comum, mas, para os alunos, subir em uma bicicleta significa a realização de um sonho.

Foi assim com a aluna Jéssica do Nascimento, de 28 anos. Deficiente visual e auditiva desde pequena, ela começou a sentir dificuldade aos 9 anos de idade, quando batia em algo ou caía por não saber onde estava pisando, mas só assumiu sua condição aos 25 anos. “Conheci o PEAMA através de amigos e antes disso não fazia ideia que um deficiente visual poderia subir em uma bicicleta. Só o fato de conseguir ficar em cima da bicicleta estática, no começo, já foi uma vitória pra mim”, relata.

Jéssica frequenta as aulas do PEAMA há pouco mais de dois anos e hoje não se vê mais sem a prática do esporte. “A minha relação com o ciclismo foi de amor à primeira vista. Sinto gratidão, tanto pelos professores quanto pelos meus colegas. Hoje eles fazem parte da minha família”, diz. “Achei que praticar esporte não fosse para mim, mas eu estava errada. Tudo ficou mais fácil depois que aceitei minha condição. Quando estou pedalando me sinto livre e muito feliz”, completa.

O PEAMA atende não somente a jovens que possuem deficiência, mas quem adquire algum tipo de limitação ao longo da vida. É o caso do senhor Mário Silva Canos Jr., que era professor de inglês e sofreu um AVC, mas encontrou no ciclismo, na natação e no caiaque, uma maneira de voltar a sorrir.

“Conheci o PEAMA e iniciei as atividades há pouco mais de um ano. Aqui, me senti acolhido e todas as pessoas foram muito receptivas comigo, tanto os professores quanto os demais alunos. Sempre gostei de pedalar e, agora, consigo praticar esportes novamente, além de ter um ótimo relacionamento com todos”, comenta.

Seu Mário chegou a ficar sem andar após sair do hospital, mas nunca desistiu de retomar os movimentos e a atividade física. “Cheguei a pensar que nunca mais fosse voltar a andar ou a pedalar. Mas aqui, além de me recuperar, aprendi a nadar e a andar de caiaque. As aulas me dão ânimo durante a semana e os espaços que temos em Jundiaí, como o Parque da Cidade, são fantásticos, assim como os professores”, completa.

Inclusão

Para a pessoa com deficiência o esporte vai muito além do bem estar físico e mental, funciona muito mais como uma forma de inclusão social e de realização pessoal.

“Entendo que o esporte para a pessoa com deficiência acaba sendo uma grande ferramenta de inclusão, pois a partir do momento que ela se percebe na condição de participar de um esporte, tanto a pessoa quanto a sociedade entende que ela também é capaz de muitas outras coisas”, comenta César Munir, diretor do Programa de Esportes e Atividades Motoras Adaptadas há seis anos.

“O esporte acaba sendo uma porta de entrada para que a pessoa com deficiência volte à sociedade e faz com que ela entenda que pode a seguir com a sua vida, seja trabalhando, estudando ou se relacionando. Além da importância do esporte para a saúde e o bem-estar, ele serve também como uma forma de inclusão social e de superação de dificuldades”, finaliza.

Fonte: Assessoria de Comunicação PMJ

Novo Dia
Novo Diahttps://novodia.digital/novodia
O Novo Dia Notícias é um dos maiores portais de conteúdo da região de Jundiaí. Faz parte do Grupo Novo Dia.
PUBLICIDADEspot_img

SUGESTÃO DE PAUTAS

PUBLICIDADEspot_img

notícias relacionadas