20.4 C
Jundiaí
segunda-feira, 24 junho, 2024

Jovem conta ter gastado R$ 9 mil após tomar zolpidem; entenda o que é o medicamento e os riscos

spot_img

Fonte: G1

Viralizou no Twitter a história de um rapaz que contou ter comprado dois pacotes de viagem para Buenos Aires, na Argentina, no valor total de R$ 9 mil, após tomar zolpidem.

“Eu tomei zolpidem, tive alucinação e comprei dois pacotes de viagem”, relatou o jovem em uma conversa com o vendedor do pacote.

O zolpidem é um remédio seguro que induz o sono, indicado para tratamento pontual da insônia. Para comprar é necessário ter uma receita médica.

“A pessoa tem um rebaixamento do nível de consciência e acaba entrando no sono com mais facilidade [depois de tomar o medicamento]”, explica o psiquiatra Henrique Bottura, diretor clínico do Instituto de Psiquiatria Paulista.

No entanto, o medicamento tem algumas características que são importantes e que nem sempre levamos em conta. Uma delas é o sonambulismo – a pessoa sai como sonâmbula pela casa e não lembra o que fez.

“O remédio não deve ser demonizado, mas existem alguns perigos. A pessoa pode fazer refeição fora de hora, arrumar a casa, dirigir pela cidade, mandar mensagens e não lembrar. Um efeito colateral que não é tão raro e é potencialmente perigoso”, explica o psiquiatra Daniel Barros.

Alerta na bula

De acordo com Barros, nos Estados Unidos são milhares de urgências relacionadas ao uso de zolpidem, não só pelo efeito colateral de sedação, mas também por acidentes que podem acontecer nesses episódios de sonambulismo induzidos pelo remédio.

A bula do remédio também faz esse alerta: “este medicamento pode causar sonambulismo ou outros comportamentos incomuns (dormir enquanto dirige, se alimenta, faz uma ligação de telefone ou durante o ato sexual) enquanto não está totalmente acordado […] Na manhã seguinte, você poderá não lembrar o que fez durante a noite”.

Sobre o caso do jovem que comprou os pacotes de viagem, os especialistas ouvidos pelo g1 explicam que é possível.

“Você precisa tomar o medicamento e não sair mais da cama. Algumas pessoas são sensíveis, tem gente que toma e vai até a padaria e isso é perigoso, porque o remédio pode fazer efeito. Se a pessoa está dirigindo, ela pode bater o carro. O paciente também pode fazer algo e se arrepender depois, pode falar dormindo, andar dormindo”, completa o psiquiatra Amilton dos Santos Júnior, professor do Departamento de Psiquiatria da Faculdade de Ciências Médicas da Unicamp.

Qual a forma correta de tomar o remédio?

Segundo a bula, o zolpidem pode causar amnésia anterógrada (perda da memória para fatos que aconteceram logo após o uso do medicamento), que em geral ocorre algumas horas após a administração.

Por isso, o ideal é tomar o remédio logo antes de dormir. “Ele tem um efeito razoavelmente rápido. O indicado é tomar antes de deitar ou já na cama. Você não vai tomar e desmaiar, mas como em alguns casos pode ocorrer a amnésia, o ideal é tomar já deitado”, orienta Bottura.

E nada de tomar durante o dia ou tratar o zolpidem como ansiolítico. “Ele é um indutor de sono e não deve ser usado durante o dia, é para ser usado à noite, com a pessoa já deitada”, reforça o professor do Departamento de Psiquiatria da Faculdade de Ciências Médicas da Unicamp.

O medicamento também não deve ser misturado com álcool, maconha ou com outros remédios que dão sono.

Zolpidem pode causar dependência?

Sim. O risco de dependência aumenta com a dose e a duração do tratamento. Vale lembrar que o zolpidem não é tratamento contra insônia e seu uso não deve passar ultrapassar o período de quatro semanas, segundo a bula.

“O zolpidem veio como solução para remédios como o rivotril, lexotan, que já sabíamos que tinha potencial de dependência. Ele veio como alternativa, que não teria risco de dependência. Mas na prática não é bem assim. Ele também causa dependência e tem sido prescrito de forma indiscriminada. Ele não é um remédio tão inocente quanto já se pensou”, diz o psiquiatra e diretor clínico do Instituto de Psiquiatria Paulista.

Além disso, o uso do medicamento só deve ser feito com prescrição médica, que vai indicar a dose e a duração.

Medicamento não deve ser a 1ª opção de tratamento

Apesar de induzir o sono, o zolpidem não deve ser a primeira opção de tratamento contra a insônia.

Amilton dos Santos Júnior explica que, antes de fazer uso do medicamento, a pessoa precisa mudar hábitos e tentar tratar a insônia com medidas não farmacológicas, como higiene do sono, não consumir produtos com cafeína, não usar telas antes de dormir.

“Eventualmente, o zolpidem pode ser um medicamento interessante, que ajuda no processo de tratamento da insônia. Mas o ideal é que o quadro de base seja tratado para que esse remédio não precise ser mantido a longo prazo”, orienta Henrique Bottura.

Novo Dia
Novo Diahttps://novodia.digital/novodia
O Novo Dia Notícias é um dos maiores portais de conteúdo da região de Jundiaí. Faz parte do Grupo Novo Dia.
PUBLICIDADEspot_img

SUGESTÃO DE PAUTAS

PUBLICIDADEspot_img
PUBLICIDADEspot_img

notícias relacionadas