spot_img
19.2 C
Jundiaí
domingo, 7 agosto, 2022

Só uma questão de justiça – Fepasa ou Paulista?

PUBLICIDADEspot_img

Desde que a Prefeitura comprou a área da antiga Fepasa, na avenida dos Ferroviários, ela foi nomeada como Complexo Fepasa. Lá se instalaram um museu, a Fatec, o Poupatempo (na realidade Perdetempo)e Cultura. Também lá estão a Guarda Municipal e a sede dos fiscais de trânsito (aqueles que multam até bicicletas).

Mas faltou justiça à denominação. Por que Fepasa?

Se olharmos para a história de Jundiaí, temos um contraste enorme entre Companhia Paulista de Estradas de Ferro e a Ferrovias Paulistas SA que a sucedeu. A Paulista, que começou a funcionar em 1872, trouxe para a cidade somente progresso e benfeitorias. Era uma empresa particular, sem o bedelho do governo. Seus trens andavam no horário, eram limpos e confortáveis. Havia até carro dormitório e carro restaurante. Suas estações, um primor.

A Paulista conseguiu até trazer para Jundiaí o Senai ferroviário, com a finalidade de formar sua mão-de-obra. Construiu casas para seus funcionários (Vila Municipal). Da empresa surgiram o Paulista Futebol Clube, o Grêmio, o Gabinete de Leitura Ruy Barbosa, a Associação Esportiva Jundiaiense. Aos seus funcionários, oferecia uma cooperativa, onde se vendia de tudo. Era um exemplo.

Mas, em novembro de 1971, o governo meteu seu bedelho e inventou a Fepasa, tomando todas as ferrovias (Paulista, Araraquarense, Sorocabana, Mogiana e outras) de seus donos. Foi o começo da grande merda que todos conhecemos. As ferrovias foram sucateadas, uma vez que havia interesse dos governos (e isso desde Juscelino) em favorecer a indústria automobilística.

Comparando: a Paulista trouxe progresso, desenvolvimento, milhares de empregos e muitos benefícios. A Fepasa representa a desgraça, o atraso, o fim de uma era. Até que foi privatizada e virou pó. No bom sentido.

Por uma questão de justiça, o tal complexo deveria ser renomeado, e não mais se chamar Fepasa. O justo é Complexo Paulista. Como o prédio é da Prefeitura, basta o prefeito ou algum vereador fazer essa proposta, oficialmente, e torná-la lei. Não é saudosismo. É questão de justiça.

ANSELMO BROMBAL – Jornalista

Novo Dia
Novo Diahttps://novodia.digital/novodia
O Novo Dia Notícias é um dos maiores portais de conteúdo da região de Jundiaí. Faz parte do Grupo Novo Dia.
PUBLICIDADEspot_img
PUBLICIDADEspot_img

SUGESTÃO DE PAUTAS

notícias relacionadas