spot_img
spot_img
20.1 C
Jundiaí
sábado, 4 dezembro, 2021
spot_img

Bolsonaro toma decisão correta no tempo errado

Brasília, em 15 de dezembro de 2016 dia em que os integrantes do Parlamento brasileiro votaram a Emenda Constitucional n.º 95, e alterou a Constituição brasileira de 1988 para instituir o Novo Regime Fiscal. O então Ministro da Fazenda Henrique Meireles convenceu 366 deputados a apostar em uma reforma a qual causou uma rachadura que está comprometendo o esteio principal da sociedade. O Presidente Michael Temer mais preocupado em atender a agenda liberal de redução do Estado, estabelecendo transformações duvidosas para o equilíbrio da coletividade, ainda carente da mão visível da organização estatal. Temer tão comprometido com o projeto de diminuir o tamanho do estado conforme a cartilha do mercado, chegou a afirmar durante uma fala na Organização das Nações Unidas em New York, que a petista só foi apeada do poder porque recusou as propostas apresentadas pelo PMDB no documento intitulado “Ponte para o Futuro”.

O deboche com a coisa pública é nítido, pois entre os parlamentares que ajudaram a construir essa “pinguela para o futuro” estavam o atual Presidente da Republica, os Presidentes da Câmara e do Senado e para aumentar os zombadores pode somar as bancadas inteiras de partidos como PSDB, DEM, PSD, PL e PSD todos atirando pedras nos 111 colegas que contestavam tal mudança com base em fundamentos sólidos. Agora o governo acuado com a incapacidade do Estado em promover a recuperação da economia e atender aos mais necessitados está tentando fazer remendos na Lei para receber o aval para gastar. Portanto está evidente que os deputados não têm compromisso com o país, excluindo o Presidente que não se cansa em dizer que nada entende de economia, não é possível que os outros 365 não soubessem da importância do gasto do governo para a demanda agregada.

Esse tal teto de gastos permitiu ao Banco Central cair na tentação de derrubar os juros básicos da economia artificialmente, o que tem reflexos breves na taxa de câmbio e leva a uma dolarização do mercado interno. Politica monetária é função da produtividade da produção de bens e serviços. Somente haverá condições solidas para redução da taxa básica de juros com o avanço da fertilidade dos meios de produção, sem essa conjuntura é irresponsabilidade ou interesses não públicos. O inverso seria mais obvio, ou seja, aumentar o endividamento do Estado para financiar projetos de inovação, ciência e tecnologia, como por exemplo, estímulos à renovação de frotas com veículos elétricos, a construção de usinas de energia limpa, desenvolvimento de biodefensivos para a agricultura, fomento a pesquisa na engenharia genética de rebanhos e sementes para aproveitar os atributos naturais que já nos garante vantagens comparativas.

A ruptura dessa manobra do governo anterior seria a grande cartada do governo Bolsonaro, mas ele preferiu acreditar nas lorotas de seu Ministro da Economia, um lobo do mercado financeiro com a chave no cofre nas mãos. O Presidente queimou a largada, e agora só vai aumentar a desconfiança dos agentes econômicos e da sociedade, pois deixou chegar ao caos para pedir socorro e na agonia vai faltar oxigênio para ganhar a competição. A inflação persistente, ausência de plano de desenvolvimento, abismo social e populismo chulo são calos nos pés de um governo que necessitar andar a passos largos  para fugir de uma tempestade maior. O chefe do Executivo tem que sair da frente do espelho e reconhecer que ele é o verdadeiro problema, pois não se cansa de apontar defeitos em tudo e em todos. Quase no final do governo o mandatário não conseguiu enxergar soluções para coisas obvias como a vacina para combater o vírus da covid. Uma das saídas para o conturbado governo é estabelecer “tetos” para suas peripécias, inclusive as mentiras.

Everton Araujo é brasileiro, economista e professor

Novo Diahttps://novodia.digital/novodia
O Novo Dia Notícias é um dos maiores portais de conteúdo da região de Jundiaí. Faz parte do Grupo Novo Dia.
PUBLICIDADEspot_img
PUBLICIDADEspot_img

SUGESTÃO DE PAUTAS

notícias relacionadas