spot_img
spot_img
27.6 C
Jundiaí
sexta-feira, 3 dezembro, 2021
spot_img

A escravidão impediu o avanço capitalista da economia brasileira

O Brasil em pleno século XXI ainda enfrenta distorções na economia e desigualdade social por causa do longo período escravocrata e pela maneira como ocorreu o processo de abolição. As deformações na economia brasileira foram criadas a partir do momento em que a escravidão foi mantida, pois era a base do sistema legal desprezando o capitalismo como sistema de organização social o qual estava em vigor na Europa e América do Norte. A servidão não permite a formação de mercado consumidor, justamente por impedir o “fluxo circular de rendas” um dos pilares da economia de mercados.

Os colonizadores portugueses fizeram da mão de obra escrava a base para a exploração da colônia, sustentando dessa forma todos os ciclos econômicos que se sucederam. A exploração do mais elementar recurso de produção beneficiou reis, comerciantes, produtores rurais e até ordens religiosas que trataram a questão de forma insignificante e apenas visando aos seus próprios interesses. Grandes patrimônios se construíram a partir do uso do recurso humano sem despesas, era uma atividade empresarial livre de riscos, o que obviamente contrasta com a logica capitalista, a qual os riscos são barreiras de entrada e saída e o empresário é alguém disposto a viver em ambientes com ameaças permanentes. A zona de conforto que os beneficiados permaneciam evidentemente não haveria motivos para a humanização da produção. Os efeitos dessa organização social desumana ainda estão presentes no comportamento das classes dominantes, dada a resistência para corrigir. Mesmo sabendo que os benefícios estão garantidos por controlar os meios de produção e a expansão da demanda forçará o aumento da oferta e a consolidação de um capitalismo moderno e com justiça social.

A concentração de rendas e pobreza cresce ininterruptamente na sociedade brasileira, a causa não foi atacada jamais. Códigos de condutas são extintos e outros promulgados na tentativa de buscar equilíbrio social, porem quem assume a hierarquia politica, por exemplo, são verdadeiros capatazes dos donos do capital e assumem o compromisso de manter e até aumentar o loteamento das riquezas da Nação, sem ao menos ter o pudor de pensar em distribuir o que é abundante, mesmo que seja uma fatia menor. A democracia em países como o Brasil deveria ser adaptada a nossas realidades, pois apenas a igualdade é percebida na hora do voto e a liberdade debatida em exaustão é abstrata e o direito de ir e vir garantido pela Constituição Federal é violado pela escassez de renda. É um horror perceber que o avanço civilizatório não acompanha um mundo mais moderno e a violência em suas diversas formas está se normalizando nas classes sociais carentes de recursos e com viés de controle social.

“Como é perigoso libertar um povo que prefere a escravidão”! Nicolau Maquiavel (1469)

Everton Araújo, é brasileiro, economista e professor

Novo Diahttps://novodia.digital/novodia
O Novo Dia Notícias é um dos maiores portais de conteúdo da região de Jundiaí. Faz parte do Grupo Novo Dia.
PUBLICIDADEspot_img
PUBLICIDADEspot_img

SUGESTÃO DE PAUTAS

notícias relacionadas