spot_img
spot_img
20.3 C
Jundiaí
quarta-feira, 1 dezembro, 2021
spot_img

Culto presencial: a quem interessa?

De maneira direta e reta, o culto presencial só interessa para que igrejas e templos levantem dízimos. Não há outra explicação para que o Nunes Marques vá contra a decisão da corte em deixar para os Estados e municípios a autoridade em ações durante a pandemia.

Fé não é um lugar e sim um estado de espírito. Você pode ser devoto em casa e rezar até enquanto caga. Isso é ter fé. Agora ser coagido/induzido/sugerido (ou até por liberdade) a ir a algum lugar para deixar dinheiro em troca de ter suas preces atendidas é outra coisa.

Não respeitar a pandemia e liberar os cultos religiosos vai contra qualquer princípio de reciprocidade, respeito e até mais, fere o direito do próximo. Quando você vai a um templo e se aglomera você corre o risco de propagar a doença independente do uso da máscara.

E independentemente da religião, todos devem se adaptar. Há anos, cultos e missas são televisionados para quem não pode ou não quer ir até um templo sagrado. E isso não impediu o enriquecimento das igrejas (de todo tipo). Desde a venda de santos até feijões milagrosos a indústria religiosa sempre teve como levantar recursos.

Mas durante a pandemia passa a ser um ato egoísta querer que a população aglomere em troca de salvação. Na verdade é quase um genocídio fazer com que as pessoas estejam expostas em busca de uma cura espiritual e que tenha a chance de ser obrigado a buscar nos hospitais lotados uma cura carnal (ou corpórea) para se salvar da contaminação que contraiu no culto.

Eu ouvi a Maria Cristina Fernandes falar na CBN que é preferível que as igrejas ou templos coloquem no final de cada transmissão ao vivo um número de conta para fazer o depósito do dízimo. E eu vou até mais longe, agora tem PIX! Coloquem código QR-Code, coloquem o número do pix, criem uma loja no mercado livre para vender sementes da salvação ou água engarrafada. Façam o que for necessário, mas não peçam para a população aglomerar.

Não podemos correr mais riscos. Principalmente em um país que não conseguiu sequer se estabilizar em termos de vacinação. Quanto mais isolados estivermos mais segurança traremos para nossa família e erra – e muito – quem acha que se aglomerar em um local fechado para gritar ou cantar vai trazer proteção aos entes queridos. Faça da sua casa. Faça até do seu banheiro. Cante louvores enquanto toma banho. Sua voz sairá até mais afinada.

Rodrigo Malagoli

PUBLICIDADEspot_img
PUBLICIDADEspot_img

SUGESTÃO DE PAUTAS

notícias relacionadas