24.3 C
Jundiaí
segunda-feira, 30 novembro, 2020

Dólar em alta pode tirar R$ 1,8 bi das vendas de Natal

Se a previsão se confirmar, será a primeira queda em quatro anos do período de maior venda do varejo

A disparada do câmbio, em um cenário de fraqueza do mercado de trabalho e queda da renda dos brasileiros, pode tirar até R$ 1,8 bilhão das vendas de Natal deste ano. Se a projeção de retração de 3% a 5% do volume de vendas se confirmar, será a primeira queda em quatro anos na data mais importante do varejo, aponta a Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC).

Fabio Bentes, economista-chefe da CNC, acompanha o desempenho do câmbio e das vendas de Natal desde 2009. Ele lembra que, em anos de forte desvalorização do real, o comércio sente o baque. “O câmbio por si só não explica como vai ser Natal, mas que ele atrapalha quando há uma desvalorização forte do real, como a que temos hoje, não há dúvida”.

Em 12 meses até setembro, o dólar subiu mais de 35% ante o real. O impacto da alta da moeda americana no varejo ocorre por meio da elevação dos preços ao consumidor. O dólar alto pressiona custos de insumos, componentes e matérias-primas. Essa pressão ocorre especialmente agora, após a freada abrupta que houve no segundo trimestre pela pandemia da covid-19, com a atividade econômica está sendo retomada.

O repasse de custos para o varejo já aparece em vários produtos, embora não seja generalizado a ponto de colocar a inflação em risco. Neste ano até agosto, o preço ao consumidor da TV e do computador pessoal, por exemplo, já subiu 11,58% e 16,9%, respectivamente, segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Esses itens levam muitos componentes importados.

Outros, como tinta de parede, que ficou 5,77% mais cara no mesmo período, pneu (5,5%) e tecidos (2,95%) têm forte relação com matérias-primas cotadas em dólar no mercado internacional – como derivados de petróleo, borracha e algodão.

O economista da Fundação Getulio Vargas (FGV) André Braz ressalta que o Natal deste ano será mais magro, além do câmbio, pela queda na renda do consumidor. “A crise vai limitar a compra de bens duráveis. Na época do ano mais esperada pelo comércio, os produtos estão mais caros e o consumidor, com menos recursos. Celulares e computadores também subiram de preço pelo aumento da demanda com o home office”.

“A variação cambial é uma dor de cabeça”, admite José Jorge do Nascimento, presidente da Eletros (que reúne os fabricantes de eletrodomésticos e eletroeletrônicos). Ele lembra que os eletrônicos levam componentes importados e eletrodomésticos e eletroportáteis têm aço e plásticos, cujos preços subiram, em média, 20%. Ele diz que a maioria dos fabricantes tem de repassar a alta para o preço. “Integralmente não, absorvemos uma parte.”

O economista do Instituto de Estudos para o Desenvolvimento Industrial (Iedi), Rafael Cagnin, lembra que a alta dos custos na indústria também ocorrem por que os diferentes segmentos terem voltando em ritmo irregular. “Como a indústria tem absorvido parte do aumento de custos, houve redução da margem de lucro. O risco é de uma alta do endividamento das empresas”.

Urbemhttps://novodia.digital/urbem
A Editora Urbem faz parte do Grupo Novo Dia e edita livros de diversos assuntos e também a Urbem Magazine, uma revista periódica 100% digital.

SUGESTÃO DE PAUTAS

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Jundiaí registra cinco mortes por Covid-19 nesta segunda (30)

Até o momento, a cidade registra 435 óbitos positivos para Covid-19 desde o início da pandemia A cidade...
PUBLICIDADE

Japão inaugura parque temático ‘Super Mário’ em fevereiro

O Japão deve inaugurar em fevereiro, o primeiro parque temático "Super Mario". A atração localizada na cidade de Osaka promete agradar os...

Ocupação nas UTIs em cidades da região deixa Estado de SP em alerta

A taxa de ocupação nas UTIs em cidades com mais de 70 mil habitantes têm aumentado, em algumas delas, chega a...

Criança morre trancada em carro quente, enquanto casal assistia série, na Austrália

Caso aconteceu em Queensland, na Austrália, onde as temperaturas chegam aos 33º graus Uma menina de 3 anos...

notícias relacionadas

Jundiaí registra cinco mortes por Covid-19 nesta segunda (30)

Até o momento, a cidade registra 435 óbitos positivos para Covid-19 desde o início da pandemia A cidade...

Japão inaugura parque temático ‘Super Mário’ em fevereiro

O Japão deve inaugurar em fevereiro, o primeiro parque temático "Super Mario". A atração localizada na cidade de Osaka promete agradar os...

Ocupação nas UTIs em cidades da região deixa Estado de SP em alerta

A taxa de ocupação nas UTIs em cidades com mais de 70 mil habitantes têm aumentado, em algumas delas, chega a...

Criança morre trancada em carro quente, enquanto casal assistia série, na Austrália

Caso aconteceu em Queensland, na Austrália, onde as temperaturas chegam aos 33º graus Uma menina de 3 anos...

cadastre-se

Cadastre-se para receber as novidades no grupo Novo Dia